Menu

sexta, 22 de maro de 2019

Filmes capixabas abrem programação do Festival de Vitória nesta segunda na Estação Porto

Em sua primeira noite, festival exibe o melhor da produção cinematográfica do Espírito Santo e homenageia o diretor Orlando Bomfim Netto. Ao todo, 17 filmes capixabas serão exibidos no Festival

Com informações de Danielle Ewald

O Festival de Vitória – Vitória Cine Vídeo – chega neste ano à histórica marca de 20 edições realizadas, confirmando-se como o mais importante evento audiovisual do Espírito Santo e um dos maiores e mais queridos festivais do Brasil. De volta ao espaço Estação Porto, no Centro de Vitória/ES, o Festival apresentará, ao longo de seis dias, uma vasta seleção de curtas e longas-metragens, vindos de dez estados diferentes.

Filmes de todos os tipos e para todos os gostos, confirmando a vocação do Festival de Vitória para a popularização do cinema brasileiro autoral junto ao espectador capixaba.

Nesta segunda-feira, dia 28, começa a programação do Festival de Vitória – 20º Vitória Cine Vídeo, que vai até o dia 2 de novembro na Estação Porto.

No primeiro dia de exibições, a atriz e cantora Letícia Persiles, e o ator Anderson Müller, fotos, sobem ao palco para apresentar as atrações cinematográficas. Letícia ficou conhecida por ser protagonista da novela “Amor Eterno Amor”, junto com Gabriel Braga Nunes.

Anderson Muller ganhou destaque com sua atuação com o personagem Abel, no folhetim “Caminho das Índias”.

Na festa e abertura, o grupo Regional da Nair será o responsável pelo samba.

Homenagem a diretor capixaba

A abertura da noite será muito especial com a homenagem ao cineasta Orlando Bomfim Netto, a partir de 19 horas. Aos 72 anos de idade, Orlando é reconhecido como um dos grandes mestres do cinema capixaba moderno. Mineiro de nascimento, criado no Rio de Janeiro, este filho de capixabas de Santa Teresa iniciou sua carreira em 1969, com a realização do curta-metragem carioca Status 69.

Sempre ligado ao Espírito Santo, Orlando realizou em 1975 o histórico documentário Tutti Tutti Buona Gente, retratando o centenário da imigração italiana no Estado. Com a mudança definitiva para Vitória no início dos anos 80, Orlando Bomfim passou a equilibrar sua carreira no cinema com um intenso trabalho no desenvolvimento das políticas culturais do Estado. Em seu trajeto, presidiu o Departamento Estadual de Cultura (DEC), dirigiu a TVE capixaba, fundou o Instituto Geração.

Esteve presente também em momentos cruciais do audiovisual capixaba, como a criação do Cineclube Metrópolis, a concepção do próprio Vitória Cine Vídeo, além da fundação da Associação Brasileira de Documentaristas e Curta-Metragistas do Espírito Santo, da qual foi também o primeiro presidente, entre 2000 e 2002. Atualmente, Orlando é Secretário Executivo da Lei Rubem Braga da Prefeitura de Vitória.

– Tamanha trajetória de sucesso será celebrada pelo Festival de Vitória este ano com a entrega do Troféu Marlin Azul para Orlando Bomfim e a publicação de um caderno especial com imagens marcantes de sua carreira. “Esta homenagem me deixa morrendo de medo!”, brinca Orlando a respeito da homenagem.

“É uma emoção enorme, muito visceral e assustadora. Passei toda a minha vida trabalhando do lado de cá do cinema, na produção, na articulação de políticas públicas, filmando. Agora estou do lado de lá, o foco estará em mim e no resultado de toda esta vida. Receber esta homenagem do Festival de Vitória me enche de humildade e orgulho”, afirma.

Logo após a homenagem, Orlando volta às telas do Festival com seu mais novo filme, Casaca, um documentário sobre o famoso instrumento da música capixaba, que traça as origens da casaca nas culturas indígenas e afro-brasileiras no Estado. O filme estará fora de competição. A nova produção do diretor busca contar a história desse instrumento tipicamente capixaba e que hoje faz parte obrigatória de todas as Bandas de Congo do Estado.

Um palco para o cinema capixaba

Valorizando o cinema feito no Espírito Santo, no dia 28 de outubro, dia de abertura do Festival, a noite será da mostra competitiva Foco Capixaba, uma das cinco mostras competitivas do festival. Serão, ao todo, cinco filmes que disputam o prêmio Marlin Azul.

Em sua segunda edição, a mostra apresenta um retrato fiel da diversidade e do vigor do cinema capixaba em 2013.

Entre os destaques locais, está o filme “O Congueiro do Santo Preto”, foto à esquerda, um documentário de Fábio Carvalho que conta a história de um dos maiores ícones do congo capixaba, o Mestre Antônio Rosa (1923 – 1999), responsável, durante cerca de 50 anos, pela Festa de São Benedito realizada no município da Serra.

Os veteranos Ricardo Sá e Wera Djekupe apresentam o curta “Reikwaapa”, uma investigação sobre os ritos de passagem nas aldeias guarani do Espírito Santo.

Completam a programação os curtas “Fragma”, foto, de Eduardo Moraes; “Nêga do Ébano”, de Valentina Krupnova; e “Sinal Vermelho”, de Naiara Bolzan e Cristina Margon.

“O cinema capixaba é múltiplo, e a curadoria tenta dar conta desta diversidade, apontando para todas as estéticas e os modos de produção que compõem a nossa cinematografia”, comenta Erly Vieira Jr., também curador do Festival de Vitória.

– “Temos representados os cineastas de primeira viagem, surgidos do curso de Audiovisual da Ufes, e também veteranos como Ricardo Sá e Valentina Krupnova, filmes feitos com o apoio de editais públicos e filmes feitos com o dinheiro do bolso do realizador, comédias e dramas, documentários de tom informativo e também de observação, filmes sobre manifestações folclóricas tradicionais e sobre novas maneiras de se pensar arte e cultura. Quem assistir a todos os filmes capixabas selecionados nas diversas mostras terá uma imagem muito fiel da força do nosso cinema”, encerra.

“Noite de Ébano” está entre as produções do Espírito Santo.

As produções do Espírito Santo também fazem parte de outras mostras do Festival e totalizam 17 filmes nos mais diversos gêneros (ficção, documentário, animação etc). Todas as produções capixabas exibidas no Festival de Vitória – 20º Vitória Cine Vídeo ainda concorrem a uma premiação da Associação Brasileira de Documentaristas e Curta-metragistas do Espírito Santo, a ABD Capixaba.

A noite será encerrada pelo longa-metragem “Mar Negro”, do também capixaba Rodrigo Aragão, foto abaixo, na ficha técnica do filme.

O Festival de Vitória – 20° Vitória Cine Vídeo é uma realização da Galpão Produções e do Instituto Brasil de Cultura e Arte (IBCA), com patrocínio do Ministério da Cultura, Petrobras, Rede Gazeta e Codesa.

Programação de filmes da noite de abertura do Festival de Vitória – 20º Vitória Cine Vídeo

FILME DE ABERTURA – 19H

Casaca, de Orlando Bomfim Netto (ES, DOC, 20 min.) [fora de competição]
Sinopse: um documentário sobre o famoso instrumento da música capixaba, que traça as origens da casaca nas culturas indígenas e afro-brasileiras no Estado e que hoje faz parte obrigatória de todas as Bandas de Congo do Estado.

II MOSTRA FOCO CAPIXABA – 20H

FRAGMA, de Eduardo Moraes (ES, FIC, 12 min.) .Sinopse: isolado e mal-humorado rapaz recebe inesperada visita de um estranho que traz consigo um monóculo. A imagem de uma mulher em comum desperta fortes lembranças em ambos. Direção, Roteiro e Produção Executiva: Eduardo Moraes.

Diretor de Produção: Juliana Amorim. Fotografia: Rafael Malta. Montagem: Eduardo Moraes. Trilha Sonora Original: Fabio Góes. Direção De Arte: Joyce Castello. Som: Alessandra Toledo. Edição de Som: Pedro Noizyman. Elenco: Eduardo Moraes, Rafael Primot, Luiz Carlos Vasconcelos, Otto Sanches e Julia Ianina. Filmografia do Diretor: Tudo Bem? (2010), Memória (2010), Alcova (2008), Pagliaccio (2007).

NÊGA DO ÉBANO, de Valentina Krupnova (ES, FIC, 20 min.). Sinopse: Uma bela moça de origem negra ameaçada de morte pelo padrasto. Apesar de ser “liberada” pelos pistoleiros, ela é obrigada a fugir para dentro de uma mata fechada onde encontra um abrigo na casa dos pivetes-infratores. Eles a acolhem, mas exigem que ela participe dos assaltos que eles praticam na cidade. Num certo momento acontece uma reviravolta: ela conhece alguém, como o príncipe encantado da história da Branca de Neve, conduzindo a trama para um desfecho surpreendente. Direção, Roteiro, Produção Executiva, Direção de Produção e Direção de Arte: Valentina Krupnova. Fotografia: Maritza Caneca. Montagem: Jefinho Pinheiro. Trilha Sonora Original: Marcos Moraes. Som: Aloysio Compasso. Edição de Som: Jefinho Pinheiro. Elenco: Maria Ceiça.

O CONGUEIRO DO SANTO PRETO, de Fábio Carvalho (ES, DOC, 23 min.). Sinopse: O Congo capixaba tem como um de seus maiores ícones o Mestre Antônio Rosa (1923 – 1999) homem responsável, durante cerca de 50 anos, pela Festa de São Benedito, realizada no município da Serra, em louvor ao padroeiro das bandas de congo e de boa parte da população capixaba. É uma história de luta permanente, que atravessou toda uma vida, em favor da manutenção dessa festa e das bandas de congo, tradição herdada de seu pai e transmitida aos seus filhos e netos. Direção: Fabio Carvalho. Roteiro: Fabio Carvalho e João Moraes. Produção Executiva: Fabio Carvalho e Alcione Dias. Direção de Produção: Alcione Dias. Fotografia: Leonardo Gomes. Montagem: Leonardo Gomes. Trilha Sonora Original: Bandas de Congo da Serra. Direção de Arte: Fabio Carvalho e Leonardo Gomes. Som: Pedro Monteiro. Edição de Som: Kiko Miranda.

REIKWAAPA, de Ricardo Sá e Wera Djekupe (ES, DOC/FIC, 16 min.). Sinopse: Investigação sobre os ritos de passagem nas aldeias guarani do Espírito Santo. Roteiro e Direção de Produção: Ricardo Sá e Werá Djekupe. Produção Executiva: Thiago Moulin. Fotografia: Ricardo Sá. Montagem: Bianca Sperandio e Ricardo Sá. Trilha Sonora Original: Grupo de jovens da aldeia Três Palmeiras. Direção de Arte: Werá Djekupe. Som: Fernanda Camargo. Edição de Som: Matheus Costa. Elenco: Índios Guarani das aldeias do Espírito Santo. Filmografia do Diretor: Era assim naquela época (2013), Procurando Madalena (2011), A estrada silvestre (2010).

SINAL VERMELHO, de Naiara Bolzan e Cristina Margon (ES, DOC, 15 min.). Sinopse: O sinal vermelho é a deixa dada aos artistas de rua para mostrarem todos os seus talentos. Diferentes artistas contam o motivo de escolherem a rua como palco para exibirem suas artes e como são recebidos pela população capixaba. Direção: Cristina Margon e Naiara Bolzan. Roteiro: Naiara Bolzan. Produção: Rafael Bertoldi. Assistente de Produção: Jhennifer Costa e Marcos Vinicius Siqueira. Produção Musical: Thaís Delfim. Direção de Fotografia e Finalização: Cássio Siquara. Assistente de Fotografia: Djalma Batista. Som direto: Lygia Machado. Assistente de áudio: Rubem de la Rosa. Trilha sonora original: Deyvid Martins, Evaldo Costa, João Machado, Joaquim A. Costa. Montagem: Cássio Siquara, Cristina Margon e Naiara Bolzan. Edição de áudio: Cristina Margon.

III MOSTRA NACIONAL COMPETITIVA DE LONGAS – 21H

MAR NEGRO, de Rodrigo Aragão (ES, FIC, 99 min.).

Sinopse: uma estranha contaminação atinge uma pequena vila de pescadores. Quando peixes e crustáceos se transformam em horrendas criaturas transmissoras de morte e destruição, o solitário Albino luta pelo grande amor da sua vida, arriscando a própria alma numa desesperada fuga pela sobrevivência.

Direção e Roteiro: Rodrigo Aragão. Produção Executiva: Hermann Pidner. Direção de Produção: Kika Oliveira e Mayra Alarcón. Fotografia: Marcelo Castanheira. Montagem: Rodrigo Aragão. Direção de Arte: Giovanni Coio. Som: Fernanda Garcia Camargo. Edição de Som: Alexandre Barcellos. Elenco: Walderrama dos Santos, Kika Oliveira, Tiago Ferri, Mayra Alarcón, Carol Aragão, Markus Konká. Filmografia do Diretor: Chupa-Cabras (2005); Mangue Negro (2008); A Noite do Chupacabras (2011).

Serviço
20º Festival de Vitória – Vitória Cine Vídeo
Data: de 28 de outubro a 2 de novembro
Local: espaço Estação Porto
Entrada gratuita
Mais informações: www.festivaldevitoria.com/

PROGRAMAÇÃO GERAL

Segunda-feira (28/10)
8h • OFICINAS de Direção, Roteiro e Produção (Hotel Ilha do Boi)
9h • Festivalzinho (Teatro do Sesi)
13h • OFICINAS de Finalização Digital, Trilha Sonora e Crítica de Cinema (Hotel Ilha do Boi)
14h30 • Festivalzinho (Teatro do Sesi)
19h • Abertura Festival de Vitória – 20º Vitória Cine Vídeo (Estação Porto)
19h • Homenagem a Orlando Bomfim Netto (Estação Porto)
20h • Mostra Foco Capixaba (Estação Porto)
21h • Mostra Nacional de Longas – Filme: “Mar Negro” (Estação Porto)

Terça-feira (29/10)
8h • OFICINAS de Direção, Roteiro e Produção (Hotel Ilha do Boi)
9h • Festivalzinho (Teatro do Sesi – Jardim da Penha)
10h • Debate com diretores dos filmes exibidos na noite anterior (Hotel Ilha do Boi)
13h • OFICINAS de Finalização Digital, Trilha Sonora e Crítica de Cinema (Hotel Ilha do Boi)
14h30 • Festivalzinho (Teatro do Sesi)
15h • Mostra Nacional de Curtas-metragens / animação (Estação Porto)
17h • Mostra Corsária, seguida por debate (Estação Porto)
19h • Mostra Nacional de Curtas-metragens (Estação Porto)
21h • Mostra Nacional de Longas-metragens – Filme: “Depois da chuva” (Estação Porto)

Quarta-feira (30/10)
8h • OFICINAS de Direção, Roteiro e Produção (Hotel Ilha do Boi)
9h • Festivalzinho (Teatro do Sesi)
10h • Debate com os diretores dos filmes exibidos na noite anterior (Hotel Ilha do Boi)
13h • OFICINAS de Finalização Digital e Trilha Sonora (Hotel Ilha do Boi)
14h30 • Festivalzinho (Teatro do Sesi)
15h • Mostra Retrospectiva 20 Anos VCV (Estação Porto)
17h • Mostra Corsária, seguida por debate (Estação Porto)
19h • Mostra Nacional de Curtas-metragens (Estação Porto)
21h • Mostra Nacional de Longas – Filme: “Avanti Popolo” (Estação Porto)
00h • III Mostra Quatro Estações (Estação Porto)

Quinta-feira (31/10)
8h • OFICINAS de Direção, Roteiro e Produção (Hotel Ilha do Boi)
9h • Festivalzinho (Teatro do Sesi)
10h • Debate com diretores dos filmes exibidos na noite anterior (Hotel Ilha do Boi)
13h • OFICINAS de Finalização Digital e Trilha Sonora (Hotel Ilha do Boi)
13h • OFICINA de Projetos para TV (Hotel Ilha do Boi)
14h30 • Festivalzinho (Teatro do Sesi)
15h • Coletiva de imprensa com Betty Faria e lançamento de livros (Hotel Ilha do Boi)
15h • Mostra Retrospectiva 20 Anos VCV (Estação Porto)
17h • Mostra Corsária, seguida por debate (Estação Porto)
19h • Mostra de Curtas-metragens (Estação Porto)
21h • Homenagem à atriz Betty Faria (Estação Porto)
21h30 • Mostra Nacional de Longas – Filme: “O Rio nos pertence” (Estação Porto)

Sexta-feira (01/11)
8h • OFICINAS de Direção, Roteiro e Produção (Hotel Ilha do Boi)
10h • Debate com os diretores dos filmes exibidos na noite anterior (Hotel Ilha do Boi)
13h • OFICINAS de Finalização Digital e Trilha Sonora (Hotel Ilha do Boi)
13h • OFICINA de Projetos para TV (Hotel Ilha do Boi)
14h • Encontro do Fórum dos Festivais (reunião fechada – Hotel Ilha do Boi)
15h • Mostra Retrospectiva 20 Anos VCV (Estação Porto)
17h • Mostra Corsária, seguida por debate (Estação Porto)
19h • Mostra Nacional de Curtas-metragens (Estação Porto)
21h • Mostra Nacional de Longas-metragens – Filme: “Doce Amianto” (Estação Porto)
00h • III Mostra Quatro Estações (Estação Porto)

Sábado (02/11)
10h • Debate com os diretores dos filmes exibidos na noite anterior (Hotel Ilha do Boi)
10h • Encontro do Fórum dos Festivais (reunião fechada – Hotel Ilha do Boi)
15h• Mostra Cinefoot – Filme: “Fla x Flu” (Estação Porto)
17h • Sessão Especial 20 Anos VCV (Estação Porto)
19h • Cerimônia de Premiação das Mostras (Estação Porto)
20h • Lançamento do curta vencedor do Concurso de Roteiro Capixaba de 2012: “Doppelganger” (Estação Porto)
20h30 • Longa-metragem de encerramento: “Tatuagem” + Festa com o Dj Dolores (Estação Porto)

Comentários