Menu

domingo, 27 de setembro de 2020

Oswaldo Oleari: A rollha do ótimo Temático Viognier e a Confraria das Onças

Não enfiei a minha cara no chão porque a cerâmica era muito dura e precisaria de uma britadeira para abrir o buraco.

A rolha do ótimo vinho branco Temático Viognier me fez pagar um tremendo mico com o coordenador da Confraria das Onças na reunião da Azteca bistrô.

Como, minha senhora, um assunto tão velho? Tem razão, velho, mas a ficha só caiu bastante tempo depois.

Como? Ora, foram servidas de entrada 2 garrafas do Temático Viognier, o gostoso vinho branco da vinícola do conceituado Maurício Lorca, na reunião da Confraria das Onças na Azteca bistrô, penúltimo mês do ano passado.

Abriu-se o primeiro, deu problema com a rolha. Abriu-se o segundo, repetiu-se o desastre.
Não enfiei a minha cara no chão porque a cerâmica era muito dura e precisaria de uma britadeira para abrir o buraco.

O detalhe é que estávamos diante do coordenador da Confraria, o jornalista Antonio Carlos Leite, também conhecido nas rodas das reuniões de vinhos como André Andrés, uma celebridade hoje no Espírito Santo.

Bem, passou-se um tempim. Como tenho o Temático Viognier na minha modesta adequinha, num dia decidi degustar outro, a pretexto de uma moquequinha de camarão lameirão que tinha preparado.

Tudo pronto, o Temático Viognier a exatos 8 graus – como se recomenda para vinhos brancos, 6 a 8 graus – vamos aos procedimentos.

Iuquiqui assucedeu?
A maldita rolha do Temático Viognier repetiu o vexame do dia da Confraria das Onças.
Com cuidado, com um papel toalha e um decanter, filtrei os resíduos de rolha e curti meu Temático Viognier.

Mas meu suplício com a rolha do Temático Viognier não terminaria aí. Dias depois, ao abrir uma quarta garrafa, tudo se repetiu e me voltou o vexame do dia da Confraria das Onças.

E aconteceu com uma quinta garrafa, esta aberta com um abridor arrumado, elegante, prático, que ganhei num belo estojo de trecos para vinhos da Juliane Gonçalves Santos.

To meiqui cabrero, mas cheguei à conclusão que o problema está na rolha da garrafa e não com o Márcio ou comigo, que abrimos as garrafas no dia das celebridades da Confraria das Onças.

E nos exemplos seguintes, que narrei aí.

Decidi que escreveria uma cronicascatinha a respeito para me resgatar do tremendo desconforto em que fiquei naquela noite da Azteca bistrô (Oswaldo Oleari).

A Viognier (foto) é uma variedade de uva branca, considerada de difícil cultivo e baixa produção, mas que resulta num vinho muito agradável, gostoso, como esse Temático do Maurício Lorca.
Há quem diga que a Viognier num futuro próximo poderá dividir a bola com a famosa Chardonnay.

Foi quase extinta na época da segunda guerra. Argentina, Brasil, Chile e Uruguai, do lado de cá, é onde tem sido intensificado o seu plantio.

Comentários