Menu

tera, 16 de julho de 2019

Alencar Garcia de Freitas: Sou mais Camarões






Samuel E’too comemora goleada de 4 a 1 sobre a Tunísia, que classificou os leões indomáveis para a copa.

Quando vejo a Seleção de Camarões participando mais uma vez dos jogos da Copa do Mundo de Futebol me vem à lembrança sua participação no certame pela primeira vez: superaram e continuam superando todos os tipos de dificuldades até figurar entre as melhores seleções que disputam esse campeonato mundial.

Não são tão bem-pagos e tão paparicados como os europeus, os ricos, e os brasileiros, mas estão aí para suar gotas de sangue pelo seu futebol e pela sua bandeira.

É garra mesmo!

Não sou nada entendido de futebol, mas sempre tive e continuo tendo profunda admiração e grande respeito por esses bravos representantes do Continente Negro.

O futebol desses irmãos negros é futebol de superação mesmo, e não futebol de salamaleques e de muito marketing como tem sido o futebol brasileiro e o futebol europeu.

Para se ter uma ideia basta observar, atentamente, a cobertura que a mídia estará dando à Seleção deles em comparação com a cobertura que está sendo dada à seleção da Austrália.

Sem dúvida que brasileiro que sou torço em primeiro lugar pela seleção brasileira, embora tenha uma série de restrições à realização da Copa do Mundo no Brasil, como já manifestei em textos anteriores.

Torço, secundariamente, pelos Camarões.

É do meu jeito de pensar e agir estar muito mais do lado dos mais fracos, fracos que, a meu ver, são muito fortes como representantes do sofrido povo africano.

Acredito muito no que dizia Paulo, fazendo-se de fraco com os fracos para ser semelhante a eles.

Espero que os Camarões, quando tiverem a força que os europeus e brasileiros têm, não se deixem dominar pelo orgulho e pela arrogância dos europeus e dos brasileiros, que estão sempre de nariz empinado.

Comentários