Menu

tera, 15 de outubro de 2019

Blog Casa do Joca tá dando: Caiu do caminhão de mudança

Septuagésima sessão ordinária do Conselho Estadual de Cultura. Preside a sessão o secretário estadual de cultura. 

Secretário João Gualberto Vasconcelos

Ao fim da sessão, o presidente do conselho e secretário lança uma dúvida que não será respondida naquele fórum: “há uma função para a Secretaria de Cultura?” Abre o pano.

O personagem principal dessa farsa é um professor universitário, doutor em sociologia, autor de um clássico do estudo da política — “A invenção do coronel” —, empresário bem sucedido, comentador arguto da realidade em incontáveis artigos, membro atuante do Movimento Empresarial Espírito Santo em Ação. A lista de qualidades do professor é grande, o que só faz aumentar a perplexidade .

Ao fim do ato, o personagem declara: “se há uma função para a Secretaria, essa função é trabalhar para a juventude, sobretudo para juventude menos favorecida.” Perplexa, a audiência se pergunta: é mesmo essa reunião do Conselho de Cultura?

Segue o personagem: (vibrante) “fazer graça com as elites não é o papel da Secretaria de Cultura. Em todo o Estado há um grande contingente de jovens abandonados!”

Acredito perceber um zum zum zum percorrer a sala. Mas ninguém fala nada.

O personagem conclui, referindo-se aos jovens: “o foco principal é trabalhar esse setor social!”

O Presidente agradeceu a presença de todos e encerrou a reunião sem que nada mais fosse dito.

Talvez houvesse tanto a ser dito sobre um secretário de cultura que não sabe se a secretaria tem função. Pior, um secretário que julga que, se a secretaria tiver função, o papel central da é o resgatar jovens abandonados.

Certamente havia tanto a ser dito que a audiência, perplexa, se cala. Esgotado o tempo regimental.

Cai o pano.

Segue a transcrição, literal, de um trecho da ata da reunião do Conselho Estadual de Cultura de 5 de fevereiro de 2015:

– O Presidente disse que se há uma função para a Secretaria, essa função é trabalhar para a juventude, sobretudo para juventude menos favorecida. Disse ainda, que fazer graça com as elites não é o papel da SECULT e que em todo o Estado há um grande contingente de jovens abandonados, do ponto de vista da construção de políticas culturais. Assim sendo, o foco principal é trabalhar esse setor social.

Joca Simonetti é jornalista
Autor do blogui Casa do Joca

Fonte:
http://casa-de-joca.blogspot.com.br/2015/04/caiu-do-caminhao-de-mudanca.html

Comentários