Menu

sbado, 18 de novembro de 2017

Poesia todo dia – Orlando Eller: Existe?

Há algo mais perverso do que o que aí está?


Perverso, sob a bandeira vermelha sem fuzil,
sob a estrela solitária sem esperança celestial?

Perverso. E nem posso falar como eu falava
nos anos de chumbo.

Perverso. Meu mundo era tão verde e eu não
morria na esquina como morro hoje no mundo
inconsequentemente vermelho.


Eu me divertia. Perverso, hoje sofro. Quem

sabe não haverá um final feliz, coisa de luzes
no fim de um cano.

Pra gente não se sentir ainda mais encanado.

Ah, sofrimento! Feliz democracia!






Orlando Eller

é jornalista

Comentários