Menu

segunda, 09 de dezembro de 2019

Rubens Pontes: meu poema de sábado – Quatro poeminhas de Mario Quintana




– “Preclaro Oswaldo Oleare

Mario Quintana, como você, foi jornalista durante toda a vida sempre vivida em Porto Alegre.

Certa ocasião, fechado o jornal em que trabalhava, foi despejado do hotel em que morava
por não ter pago o aluguel do mês, problema que pouquíssimos de nós não sofremos um dia.

Um jogador de futebol, Falcão, admirador do poeta e escritor, o acolheu, cedendo-lhe de graça
um quarto no hotel de sua propriedade, em Porto Alegre.

Sorte nossa, que Mario Quintana pode continuar traduzindo obras de Proust, de Virginia Wolf,
escrevendo seus magníficos poemas (uma antologia de seus trabalhos foi organizada
por Rubem Braga, em 1966) que o levaram a ser agraciado com o Prêmio Machado de Assis da 
Academia Brasileira de Letras, em 1980, e do cobiçado Prêmio Jaboti, em 1981.

Poeta das coisas simples, selecionei quatro poeminhas que refletem o seu modo de pensar e de expressar seus sentimentos.


Bom fim-de-semana.
Rubens”


POEMINHA DO CONTRA

Todos esses que ai estão
Atravancando o caminho
Eles passarão.
Eu passarinho.

ENVELHECER

Antes, todos os caminhos iam.
Agora, todos os caminhos vêm.
A casa é acolhedora, os livros poucos
E eu mesmo preparo o chá para os fantasmas.

DO AMOR O ESQUECIMENTO

Eu agora – que desfecho!
Já nem penso mais em ti…
Mas será que nunca deixo
De lembrar que te esqueci?

TROVA

Coração que bate-bate
Antes deixes de bater.
Só em relógio é que as horas
Vão passando sem sofrer.
                                  





rubens pontes
é jornalista 

 

 

Comentários