Menu

tera, 21 de novembro de 2017

23º Festival de Cinema de Vitória: 6ª Mostra Quatro Estações e Viradão Novo Cinema de Horror exibem filmes até o dia amanhecer


Penúltimo dia: maratona de filmes no Centro de Vitória para virar a noite, madrugada, até o sábado amanhecer 

A partir das 23 horas desta sexta, acontece a 6ª Mostra Quatro Estações, que exibirá uma seleção com seis produções com a temática da diversidade sexual. 

Na sequência, a partir de 1 hora da manhã do sábado, acontece o Viradão Novo Cinema de Horror, com filmes de longa e curta-metragem, levando para a telona o que há de mais recente nas produções nacionais do gênero horror. Ambas sessões acontecem no Teatro Carlos Gomes. A entrada é gratuita.

Diversidade sexual na telona
Janela exclusiva para filmes cuja temática principal é a diversidade sexual, a 6ª edição da Mostra Quatro Estações do 23º Festival de Cinema de Vitória exibirá produções de várias partes do Brasil que dão visibilidade às questões do público LGBT e expressam as múltiplas identidades sexuais.

“Lovedoll”

Um grito de urgência pela diversidade, a 6ª Mostra Quatro Estações acontece em um momento da história brasileira marcado pelo retrocesso político que ameaça uma série de direitos conquistados. A seleção deste ao ano apresenta obras que buscam ir na contramão dos tempos de incertezas atuais. Dentre as obras que serão exibidas, estão: “Lightrapping”, de Márcio Miranda Perez; “Lovedoll”, de Débora Zanatta, e Estevan de La Fuente; “Cuscuz Peitinho”, de Rodrigo Sena e Julio Castro; “Para Minha Mãe”, de Wislan Esmeraldo; “Ingrid”, de Maick Hannder, e “A Vez de Matar, A Vez de Morrer”, de Giovani Barros.

Filmes aterrorizantes até o amanhecer
Com produções de longa e curta duração, o Viradão Novo Cinema de Horror apresentará uma seleção de filmes de horror nacionais e que expressam o que mais inovador nesse gênero. Essa sessão atravessará uma das madrugadas do 23º Festival de Cinema de Vitória: de 1 até às 7 horas da manhã.

Essa seleção tenebrosa de filmes traz uma mistura que se equilibra entre o que há de mais experimental e de mais transgressor no cinema de terror brasileiro. 

“O segredo da família urso”

Estarão em cartaz os filmes: “O Duplo”, de Juliana Rojas; “O Diabo Mora Aqui”, de Dante Vescio e Rodrigo Gasparini; “13 Histórias Estranhas”, de Fernando Mantelli, Ricardo Ghiorzi, Cláudia Borba, Petter Baiestorf, Marcio Toson, Cesar Coffin Souza, Rafael Duarte, Taísa Ennes Marques, Gustavo Fogaça, Renato Souza, Leo Dias de los Muertos, Paulo Biscaia Filho, Felipe M. Guerra, Filipe Ferreira e Cristian Verardi; “Encontro às Cegas”, de Isabella Costa; “A Casa de Cecília”, de Clarissa Appelt; e “O Segredo da Família Urso”, de Cíntia Domit Bittar.

SEXTA-FEIRA (18/11)
ENTRADA FRANCA!

23h – 6ª Mostra Quatro Estações – Teatro Carlos Gomes

“Lightrapping” (Ficção, 22’, SP), de Márcio Miranda Perez. Gustavo é um fotógrafo que registra corpos de homens nus em espaços públicos de São Paulo. Uma noite, o jovem Pedro o acompanha, curioso e indeciso sobre participar ou não do projeto. A cidade será testemunha da jornada.

“Lovedoll” (Ficção, 12’, PR), de Débora Zanatta e Estevan de La Fuente. Paula mora sozinha em seu apartamento. Ela está sentada no sofá assistindo televisão. A campainha toca, é o carteiro que lhe faz a entrega de uma caixa contendo uma boneca inflável. A partir desse encontro, a solidão abre espaço para a fantasia e Paula transforma-se aos poucos – adereços femininos vão dando lugar às fantasias homoeróticas da personagem.

“Cuscuz Peitinho” (Ficção, 15’, RN), de Rodrigo Sena e Julio Castro. Karol, 27 anos, sempre esteve aos cuidados da tia conservadora. Em sua ausência ele permite se descobrir com a ajuda de um novo amigo.

“Para Minha Mãe” (Ficção, 22’, CE), de Wislan Esmeraldo. Amor antigo não enferruja.

“Ingrid” (Documentário, 7’, MG), de Maick Hannder. Uma mulher e seu corpo.

“A Vez de Matar, A Vez de Morrer” (Ficção, 25’, MS), de Giovani Barros. O Homem, o orgulho, a vingança.

SÁBADO (19/11)
1h – Viradão Novo Cinema de Horror – Teatro Carlos Gomes

O Diabo Mora Aqui (Ficção, 77′, SP, 2015), de Dante Vescio e Rodrigo Gasparini. Quatro jovens decidem passar uma noite em um casarão colonial e acabam envolvidos em uma luta entre forças ancestrais. Eles terão que lutar por suas vidas em uma guerra em que não importa quem vença, eles perdem.

O Duplo (Ficção, 25′, SP, 2012), de Juliana Rojas. Silvia é uma jovem professora em uma escola de ensino fundamental. Certo dia, sua aula é interrompida quando um dos alunos vê um duplo da professora andando no outro lado da rua. Silvia tenta ignorar a aparição, mas este evento perturbador passa a impregnar seu cotidiano e alterar sua personalidade.

Encontro Às Cegas (Ficção, 9’, RJ, 2016), de Isabela Costa. Quando um vampiro cego, em pleno 2016, atrai suas vítimas por meio de aplicativos de celular, uma surpreendente chegada muda o rumo da noite.

13 Histórias Estranhas (Ficção, 123′, RS/SC/PR, 2015), de Fernando Mantelli, Ricardo Ghiorzi, Cláudia Borba, Petter Baiestorf, Marcio Toson, Cesar Coffin Souza, Rafael Duarte, Taísa Ennes Marques, Gustavo Fogaça, Renato Souza, Leo Dias de los Muertos, Paulo Biscaia Filho, Felipe M. Guerra, Filipe Ferreira e Cristian Verardi. Filme coletânea. São 13 histórias curtas, onde o numeral é a base do roteiro. 1 – Um homem mata prostitutas e joga o corpo no poço do elevador; 2 Uma excêntrica senhora atrai estranhos para sua casa; 3 – Marido leva um inusitado presente para sua esposa; 4 – Um cometa cai na terra e traz um alienígena sanguinário; 5 – Mãe não aceita que filho saia de casa; 6 – Um cientista maluco e suas experiências sinistras; 7 – Ladrão é pego pelo caseiro, e é torturado, 8 – Demônio se manifesta em estranhos depoimentos para a internet, 9 – Adolescente desajustada faz pacto com o diabo, 10 – Em um teatro, atrizes são assombradas por um fantasma vingativo, 11 – Lavrador tem sérios problemas dentro de sua cabeça, 12 – Corretor de imóveis tem estranha obsessão; 13 – Homem descobre rolo de filme maldito.

A Casa de Cecília (Ficção, 102′, RJ, 2014), de Clarissa Appelt. Cecília tem 14 anos e está sozinha em casa há duas semanas. 

Após dias intercalados de solidão e euforia, Lorena, uma adolescente misteriosa, surge em sua casa. Apesar da nova companhia, a casa parece ficar cada vez mais vazia e os eventos, cada vez mais peculiares.

O Segredo da Família Urso (Ficção, 20′, SC, 2014), de Cíntia Domit Bittar. 1970, ditadura militar brasileira. Geórgia, uma menina de 8 anos, é proibida de entrar no porão de sua casa, onde costumava brincar. Longe dos olhos dos pais e da velha babá, Geórgia encontra a porta destrancada: há alguém lá dentro.

Comentários