Menu

quinta, 25 de abril de 2019

Alvaro Nazareth / Movimento – Sintonia com as ruas: Senador Ricardo Ferraço reafirma ser contra o fundão




Em nota distribuída por WhatsApp pelo assessor de comunicação Arthur Wernesbach, o senador Ricardo Ferraço reafirma sua posição contrária à criação de um fundo constituído com recurso público para financiamento de campanhas políticas.


Demonstra, com isto, respeito ao pensamento de 95% dos eleitores brasileiros que não concordam com tudo o que vêm fazendo os parlamentares que compõem o atual Congresso Nacional.

A reparar, apenas que o senador fala de um fundo do tamanho de 3,5 bilhões de reais e o dos deputados que o idealizam, se criado, terá 3,6 bilhões – uma diferença para maior de abissais R$ 100 milhões.

Manifestando-se como presidente do Tribunal Superior Eleitoral, o ministro Gilmar Mendes, que não perde oportunidade de aparecer, meteu a colher no caldeirão e, para espanto de muitos, afirmou que a montanha de reais pode não ser suficiente.

E não é que ele pode estar certo? Se não, vejamos. Ressalvado possível, porém improvável, erro de cálculo, em 2018 cerca de 136.465 candidatos deverão concorrer às eleições. 

Dividindo-se os tais R$ 3,6 bi do fundão pelo número de candidatos, resultará em algo parecido com R$ 26.380,00 para cada candidato investir na sua campanha.

Considerando, entretanto, que haverá uma gradação de cima para baixo na distribuição do botim – candidaturas à presidência serão contempladas com parcelas amplamente maiores, governadores e senadores na sequência virão assim como medalhas de prata.

A deputados federais e estaduais restarão raspas de tacho para pagar, talvez, um carrinho de som Chevete 81, ou bicicleta sonorizada (fotos), respectivamente. 

Por candidato. E olhe lá.

Vale a pena tirar tanto para ficar com tão pouco?

Ou com nada?

Certamente, o pessoal do Centrão e aficcionados não fizeram essa conta.



Economista, Jornalista e Publicitário. Trabalhou no jornal O Diário, Rádio Espírito Santo, Revista Agora, Jornal da Cidade, A Gazeta e A Tribuna. Fundou a Uniarte Agência de Propaganda e dirigiu comercialmente a Eldorado Publicidade, a Rede Tribuna e o jornal eletrônico Século Diário. Foi Secretário de Comunicação da Prefeitura de Vila Velha e do Governo do Estado do Espírito Santo.

Comentários