Menu

quinta, 20 de setembro de 2018

Uchôa de Mendonça: A praça do Cauê é nossa

NOTA – Você vai ler um comentário independente, sem enganos, sem mentiras. Se Você entender que não deva prosseguir com sua leitura, delete-o. Nunca suporte o que não gosta. Se não ler, vai perder a oportunidade de conhecer a verdade.








Nota do Portal Don Oleari – A foto foi publicada por Willis Faria, ex-servidor da Prefeitura de Vitória – onde foi secretário do Meio Ambiente – no seu blogui há dois anos, informa ele. As sugestões para a reforma da praça e abertura das duas vias ligando a Avenida Nossa Senhora da Penha à praça de pedágio da Ponte Darcy Castelo Mendonça (Terceira Ponte) são do engenheiro Luiz Carlos Menezes, da Metron Engenharia.


A Praça do Cauê é nossa, é do povo. Afinal, o prefeito de Vitória, Luciano Rezende, usando do seu poder de decisão, decidiu em favor do povo, de quem precisa passar sobre a Terceira Ponte, a via mais importante de ligação de Vitória, a capital do Estado , com o continente, ou seja a cidade de Vila Velha.

O Brasil passa por uma das crises econômicas mais imorais de sua história. A crise que nos atinge, não tem como responsabilidade única a s questões da economia mundial. O que existe no Brasil é uma crise moral aliada à má administração pública.

O que estamos assistindo, essa tragédia com 15 milhões de trabalhadores desempregados, desesperadamente em busca de trabalho, teve como consequência a sucessão de políticos ordinários no poder, cada qual pior do que o outro e pouco se importando com o que poderia acontecer com ele, daí a multiplicidade de ladrões de cofres públicos que surgiram como que uma epidemia, uma verdadeira desgraça e, para completar, a presença de Lu la e Dilma no poder, dois primários em tudo que, só um eleitorado incapaz seria capaz de escolhe-los, daí a necessidade de profundas reformas eleitorais.

As cidades foram crescendo desordenadas, com prefeitos administrando atabalhoadamente, com objetivo do continuísmo, atulhando a máquina pública de gente inútil, sem qualquer necessidade, em cargos movidos à vitaliciedade e à burrice…

A eleição do sr. Luciano Rezende, na altura dos acontecimentos políticos do Estado e do Brasil, com a constante volta, em rodizio, dos maus políticos, foi um milagre. Até ontem, como se diz, apareceu um único caso de corrupção na sua administração. Pode não ser o melhor prefeito do mundo, mas podemos considerar um dos melhores que por aqui tem passado, um tipo Chrisógono Teixeira da Cruz, inimitável em tudo, com sua tranquila capacidade de administrar com simplicidade, elegância e honradez.

Numa recente manhã, chuvosa, o prefeito Luciano Rezende, como dizemos lá no nosso São Mateus, deu uma de macho e deu ordens para que as máquinas derrubassem as grades da Praça do Cauê para liberar as obras do trânsito para a Terceira Ponte, uma reivindicação que prefeitos anteriores tinham receio de fazer, com medo de desagradar meia dúzia de jogadores de tênis.

Os próprios moradores da região foram ali aplaudir a decisão do prefeito, como a Associação dos Moradores.

Eu lamento que o prefeito Luciano Rezende tenha demorado tanto para uma decisão tão acertada e tão reclamada. Nunca é tarde para se reparar as coisas e, na hora certa, sem alarde, o prefeito foi dar ordem para que as máquinas destruíssem um símbolo da indecência. Uma praça com meia dúzia de donos, atrapalhando uma multid&atilde ;o de passantes.

Por que?



Uchôa de Mendonça
é jornalista


Comentários

Uchôa de Mendonça: A praça do Cauê é nossa

NOTA – Você vai ler um comentário independente, sem enganos, sem mentiras. Se Você entender que não deva prosseguir com sua leitura, delete-o. Nunca suporte o que não gosta. Se não ler, vai perder a oportunidade de conhecer a verdade.








Nota do Portal Don Oleari – A foto foi publicada por Willis Faria, ex-servidor da Prefeitura de Vitória – onde foi secretário do Meio Ambiente – no seu blogui há dois anos, informa ele. As sugestões para a reforma da praça e abertura das duas vias ligando a Avenida Nossa Senhora da Penha à praça de pedágio da Ponte Darcy Castelo Mendonça (Terceira Ponte) são do engenheiro Luiz Carlos Menezes, da Metron Engenharia.


A Praça do Cauê é nossa, é do povo. Afinal, o prefeito de Vitória, Luciano Rezende, usando do seu poder de decisão, decidiu em favor do povo, de quem precisa passar sobre a Terceira Ponte, a via mais importante de ligação de Vitória, a capital do Estado , com o continente, ou seja a cidade de Vila Velha.

O Brasil passa por uma das crises econômicas mais imorais de sua história. A crise que nos atinge, não tem como responsabilidade única a s questões da economia mundial. O que existe no Brasil é uma crise moral aliada à má administração pública.

O que estamos assistindo, essa tragédia com 15 milhões de trabalhadores desempregados, desesperadamente em busca de trabalho, teve como consequência a sucessão de políticos ordinários no poder, cada qual pior do que o outro e pouco se importando com o que poderia acontecer com ele, daí a multiplicidade de ladrões de cofres públicos que surgiram como que uma epidemia, uma verdadeira desgraça e, para completar, a presença de Lu la e Dilma no poder, dois primários em tudo que, só um eleitorado incapaz seria capaz de escolhe-los, daí a necessidade de profundas reformas eleitorais.

As cidades foram crescendo desordenadas, com prefeitos administrando atabalhoadamente, com objetivo do continuísmo, atulhando a máquina pública de gente inútil, sem qualquer necessidade, em cargos movidos à vitaliciedade e à burrice…

A eleição do sr. Luciano Rezende, na altura dos acontecimentos políticos do Estado e do Brasil, com a constante volta, em rodizio, dos maus políticos, foi um milagre. Até ontem, como se diz, apareceu um único caso de corrupção na sua administração. Pode não ser o melhor prefeito do mundo, mas podemos considerar um dos melhores que por aqui tem passado, um tipo Chrisógono Teixeira da Cruz, inimitável em tudo, com sua tranquila capacidade de administrar com simplicidade, elegância e honradez.

Numa recente manhã, chuvosa, o prefeito Luciano Rezende, como dizemos lá no nosso São Mateus, deu uma de macho e deu ordens para que as máquinas derrubassem as grades da Praça do Cauê para liberar as obras do trânsito para a Terceira Ponte, uma reivindicação que prefeitos anteriores tinham receio de fazer, com medo de desagradar meia dúzia de jogadores de tênis.

Os próprios moradores da região foram ali aplaudir a decisão do prefeito, como a Associação dos Moradores.

Eu lamento que o prefeito Luciano Rezende tenha demorado tanto para uma decisão tão acertada e tão reclamada. Nunca é tarde para se reparar as coisas e, na hora certa, sem alarde, o prefeito foi dar ordem para que as máquinas destruíssem um símbolo da indecência. Uma praça com meia dúzia de donos, atrapalhando uma multid&atilde ;o de passantes.

Por que?



Uchôa de Mendonça
é jornalista


Comentários