Menu

sexta, 17 de novembro de 2017

Exposição Coração da Casa realiza roda de conversa sobre Patrimônio Cultural Imaterial

Será na tarde deste sábado (23) no Raiz Forte Espaço de Criação, na Escadaria do Rosário, Centro de Vitória-ES. 
Os convidados são o Babalorixá Gildo de Óxossi e a pesquisadora Fernanda de Castro Barbosa.

A categoria “patrimônio imaterial” é relativamente recente no campo das políticas públicas no Brasil. Seu aparecimento contribuiu para ampliar o entendimento sobre o que é o patrimônio cultural brasileiro, incluindo, ao lado dos bens móveis e imóveis, expressões de vida e tradições que comunidades, grupos e indivíduos recebem dos seus ancestrais e transmitem aos seus descendentes.

A emergência dessa discussão, no entanto, coloca várias questões em pauta: que bem imaterial pode e deve ser patrimonializado? O que se pretende salvaguardar e proteger ao declarar um bem cultural como “patrimônio imaterial”? Quais são os patrimônios imateriais reconhecidos no Brasil e no Espírito Santo? Quais relações podemos estabelecer entre as religiões de matrizes africanas e o patrimônio imaterial? Essas e outras questões que tangenciam o campo do patrimônio imaterial no Brasil e no Espírito Santo vão nortear o bate-papo.

Sobre a Exposição Coração da Casa

Por meio de registros visuais (fotografia, vídeo e outros objetos), a Exposição Coração da Casa narra o modo de feitura do Akará, o popular acarajé, comida ritual da orixá Iansã e que tem origem na junção de duas palavras do iorubá: “Akàrà”, que significa “bola de fogo”, e “jé”, comer. 

A iniciativa busca promover a valorização do saber em torno da culinária dos orixás e foi resultado de uma oficina de preparo do acarajé realizada no último mês de agosto, onde cerca de 30 participantes acompanharam, durante um dia inteiro, a rotina de uma casa de Candomblé. Essa atividade vivencial foi sediada no Ilè Asé Odé T’Ojú Òmó – Casa do Caçador, em Praia Grande, Fundão-ES, espaço religioso e ponto de memória.

Sobre os convidados
O Babalorixá Gildo de Oxóssi é coordenador do Coletivo Cultural Iaoto. Atua desde 2006 como Babalorixá, e desde 2015 coordena atividades litúrgicas e culturais na sede do Iaoto – Ilé Asé Odé T’Ojú Òmó, em Praia Grande, município de Fundão. 

Graduada em história e mestre em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Espírito Santo, Fernanda de Castro Barbosa dedica-se às pesquisas sobre identidades e memórias negras desde 2004.
Atuou na elaboração do Inventário Nacional das Referências Culturais do Sapê do Norte (IPHAN-ES/Instituto Elimu) e na produção da revista “Mucane”, sobre a história do Museu Capixaba do Negro (Lei Rubem Braga – Vitória/ES).
Atualmente é responsável pela área de Patrimônio Imaterial da Secretaria de Cultura do Espírito Santo.


Projeto Coração da Casa conta com recursos do Fundo Estadual de Cultura do Espírito Santo por meio do Edital nº 05/2016 – Seleção de Projetos Culturais e Concessão de Prêmio para Pontos de Memória.
Apoio do Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros da Ufes (NEAB) e do Raiz Forte Espaço de Criação.
Realização do coletivo cultural Iaoto – organização com 10 anos de existência, promovendo o reconhecimento dos saberes ancestrais vinculados às religiões de matriz africana, especialmente ao Candomblé.

SERVIÇO
Exposição Coração da Casa / Roda de Conversa: Patrimônio Imaterial
Convidados: Babalorixá Gildo de Oxóssi e a pesquisadora Fernanda de Castro Barbosa
Sábado (23 de setembro), às 16 horas, no Raiz Forte Espaço de Criação
Escadaria do Rosário – Centro de Vitória-ES
Entrada Franca!

Paulo Gois / 27-98134 6831

Comentários