Menu

quarta, 13 de dezembro de 2017

Dim Dom Dom, carne de sol boa, aipim duro / Os Soares na Rádio CBM / Umberto Eco: Multidão de imbecis / Dia de Ray Charles / Diagonal

Diagonal, coluna do Oleari

Dim Dom Dom, uma boa casa no lugar do velho Dim Dom Dom, do José Luiz

O pastel do Dim Dom Dom é dos melhores que já provamos pelaí. São páreo para o pastel do ótimo Pezão, em Jardim da Penha,
e pro do Quiosque do Alemão, na Curva da Jurema.

A carne de sol é das melhores da butecaria do pedaço. Só não é melhor duqui a Carne de Sereno que eu servia no Don Oleari
Bar doce Bar, em Jardim Camburi. Era de Sereno porque era “curada” à noite, não pegava sol. Daí, a sua maciez,
que eu complementava preparando-a na manteira, bem acebolada.

O aipim da carne do sol do Dim Dom Dom tava duro, ressecado. Perguntei a um chefão se o prato não ficaria mió se o aipim fosse apenas cozido. Ele respondeu:

– Pois é, eu também prefiro cozido.

Fica a dica. Aipim cozido e não frito, ressecado e duro pracacete. Opppsss, duro pracacete seria o que os entendidos aí da língua chamariam de “pleonasmo”? Ou seria redundância? Sei lá…

Registro esta nota aqui pra homenagear também a memória do José Luiz, da família do antigo Dim Dom Dom, no mesmo espaço.
Lá, sorvi um tanto de uisque no balcão ao lado do saudoso publicitário Sergio Dorea – “ora, ora, Sergio Dorea”!…

O atendimento do Dim Dom Dom é acima da média, é bom. E o Manoel é um bambambam do trato com o povaréu.

Manoel é dusbão (foto acima). Diria até que o Manoel não é so dusbão, não: é dusmió. Beleza!

Renato e Jair Viana Soares 
no estúdio da Rádio CBM

Não foi um encontro programado. Totalmente imprevisto, mas foi melhor duqui se tivesse sido combinado. Cheguei de umas miudezas na rua, quem encontro abancado no estúdo da Rádio CBM? 
Os irmãos Renato e Jair Soares. Foi a primeira festa.


Da direita para a esquerda; Judson Lopes, Alvaro Nazareth, Renato Viana Soares e o digitador desta linha aqui. O Jair Soares operou de fotógrafo e decretou: “fotógrafo não sai na foto, só bebe”.

Que logo, logo, seria seguida de outra. Meia hora depois chegam os parceiros de trabalho na Don Oleari Corporeitcham Álvaro Nazareth e Judson Lopes (. Ninguém se via há uns 800 anos.

Foi o que bastou pra mais de um tanto de horas de papoe lembranças de tudo e de todos. Renato Viana Soares foi secretário de Justiça do Governo Albuíno Azeredo, do qual foi secretário de Comunicação o jornalista e economista Alvaro Nazareth. 

Foi beleza! Foi-se uma boa garrafa de boa pinga do Norte do ES, a Ferreirinha de Ecoporanga – há uns 12 anos dormitando na minha pequena coleção – mais um tanto do ótimo torresmo do Carlinhos e do Gaúcho, o buteco ao lado da Rádio CBM. 
E nos prometemos cumprir um dogma do querido amigo jornalista Valério Fabris, que me disse há um tempim: “não estamos em tempo de desperdiçar afetos”. 
No que todos se prometeram mais encontros, mais pinga e mais torresmo.

A conspiração dos imbecis

26 jun 2015, O jornalista Eduardo Wolf, da revista Veja em Milão, Itália, perguntou ao escritor Umberto Eco:

– Foi um estrondo a sua declaração, em uma cerimônia na Universidade de Torino, de que a internet dá voz a uma multidão de imbecis. O que o senhor achou da dimensão que o assunto tomou? 

Umberto Eco (Steffania DAlessandro/Getty Images)

Umberto Eco respondeu:

– As pessoas fizeram um grande estardalhaço por eu ter dito que multidões de imbecis têm agora como divulgar suas opiniões. Ora, veja bem, 
num mundo com mais de 7 bilhões de pessoas, você não concordaria que há muitos imbecis? Não estou falando ofensivamente quanto ao caráter das pessoas. O sujeito pode ser um excelente funcionário ou pai de família, mas ser um completo imbecil em diversos assuntos. 

Com a internet e as redes sociais, o imbecil passa a opinar a respeito de temas que não entende”.

Pitaco de um imbecil: cada vez que leio essa opinião do grande Eco, me vejo em meio aos milhões citados por ele.

O Dia de Ray Charles


Ray Charles Robinson nasceu em 23 de setembro de 1930, em Albany, Georgia.

“The Genius”, como também sempre foi tratado, forjou sua música com influênciia evangélica, o gospel, e é um dos criadores do que ficou conhecido como soul music. A revista Rolling Stones chegou a indicá-lo como 2º maior cantor de todos os tempos e 10º maior artista da música de todos os tempos.

Oswaldo Oleari é
jornalista,
radialista
Editor Chefão do Portal Don Oleari
/ Rádio Clube da Boa Música

Comentários