Menu

quinta, 23 de novembro de 2017

Alvaro Nazareth: Movimento – Vitória da Rodosol na Terceira Ponte; Segunda Ponte pode cair

Segunda Ponte pode desabar

 

 

Unanimidade a favor da empresa no STJ.

 

Na sessão realizada na tarde de terça-feira, 24, a Segunda Turma do Superior Tribunal de Justiça decidiu por unanimidade que o conselheiro do Tribunal de Contas do Espírito Santo, Carlos Ranna, configura-se impedido de atuar como relator do processo do contrato da Rodosol, concessionária da Terceira Ponte, que liga Vitória e Vila Velha (ES).

O ministro Herman Benjamin relatou favoravelmente ao recurso apresentado pelo advogado da empresa, Rodrigo Martins, voto acompanhado pelos outros quatro ministros da Segunda Turma: Francisco Falcão, Og Fernandes, Mauro Campbell Marques e Assusete Magalhães.

A argumentação do advogado da Rodosol fundamentou-se no fato de que Ranna atuara anteriormente como auditor do governo do Estado do ES no mesmo contrato, o que configuraria seu impedimento para exercer a relatoria do processo no Tribunal de Contas estadual.

Esse imbróglio teve início em 2013, quando das grandes manifestações populares pacíficas e dos atos de vandalismo que as acompanharam em paralelo.

Na ocasião, várias medidas adotadas resultaram na instauração de procedimentos que, contestados, chegaram ao resultado do julgamento no STJ.

Para o advogado Rodrigo Martins, a decisão do STJ determina que  toda a participação de Carlos Ranna seja desconsiderada, o que devolve o processo a praticamente seu estágio zero.

Fica a pergunta: a quem caberá a responsabilidade por mais de quatro anos de ocupação indébita dos agentes da Justiça, do Legislativo e do Executivo em um processo que agora volta ao ponto de partida? Ou de arquivo?

Não é possível imaginar que cada ator desse processo desconhecesse o peso e o preço de sua atuação nessa peça que saía do nada para chegar a lugar nenhum (Alvaro Nazareth).

Segunda Ponte

Se não cuidar, vai cair.

Atento cidadão, Marlos Brocco, botafoguense de corpo e alma, registrou em fotos o lastimável estado de degradação da estrutura da Segunda Ponte.

Suas bases e pilares, expostos, apresentam acelerado processo de oxidação das ferragens, o que pode levar à interdição, ou, até desabamento.

Se deixarem que a situação chegue ao extremo, dá bem para imaginar o caos em que se transformará o já caótico trânsito da Grande Vitória.

Com a palavra as autoridades, sejam elas municipais, estaduais ou federais (Alvarfo Nazareth).

Economista, Jornalista e Publicitário. Trabalhou no jornal O Diário, Rádio Espírito Santo, Revista Agora, Jornal da Cidade, A Gazeta e A Tribuna. Fundou a Uniarte Agência de Propaganda e dirigiu comercialmente a Eldorado Publicidade, a Rede Tribuna e o jornal eletrônico Século Diário. Foi Secretário de Comunicação da Prefeitura de Vila Velha e do Governo do Estado do Espírito Santo.

Comentários