Menu

quinta, 23 de novembro de 2017

Matias Brotas completa 12 anos de Espírito Santo e mostra 90 obras em ambientes diversos da Casa Cor

Casa Cor ES 2017

Num momento em que museus e centros culturais no Brasil e no mundo trabalham para levar as famílias a esses espaços e são alvo da censura, arquitetos mostram engajamento com a arte contemporânea e exibem na Casa Cor ES vídeos, instalações, esculturas e uma grande diversidade artística, além da pintura como suporte tradicional nas residências, um reflexo do maior interesse pela arte contemporânea.

Responsável pela curadoria de 6 ambientes na Casa Cor, Sandra Matias e Lara Brotas comemoram: mais de 90 obras vieram para compor os ambientes de Juliana Vervloet do Amaral e Roberta Toledo, Letícia Finamore, Tamara Raizer, Kassio Fontoura e Marcela Grasseli, Sergio Caus e Cintia Chieppe e Marcia Paolielo.

José Bechara, Antonio Bokel, Celina Portella, Julio Tigre, Suzana Queiroga, Raphael Bianco, Shirley Paes Leme, Mai-Britt Wolthers, Manfredo de Souzanetto, são apenas alguns nomes dos artistas com obras selecionadas pela Matias Brotas arte contemporânea para a Casa Cor ES.

Segundo Lara Brotas, Casa Cor é muito mais que novidades em móveis e tendências em decoração.

– “ O visitante tem a oportunidade de ver uma seleção única de artistas de diferentes gerações com diversos suportes artísticos”.

O ambiente ‘Casa Galeria’ das arquitetas Juliana Vervloet do Amaral e Roberta Toledo é um exemplo de como a arte se torna parte do dia a dia do morador, e como cada obra agrega de forma única e aconchegante cada parte da casa, podendo ser apreciada na cozinha gourmet, na sala, no quarto, no hall de entrada. O espaço é o que traz o maior número de obras selecionadas pela galeria. São mais de 20, e é um convite a passear por diferentes gerações da arte.

Na casa, um dos destaques é a obra da artista Suzana Queiroga, feita exclusivamente para o ambiente. Pairando no ar, a obra flutua como uma grande água viva, ora se camuflando com o fundo branco, ora se distinguindo do fundo azul.

– “No sobrevoo, entro em contato com essa atmosfera terrestre e penetro a nuvem, que penetra também em mim trazendo uma carga poética ao meu trabalho. A nuvem é a intermediação entre a matéria e o etéreo. Tem uma forma fechada, mas não é sólida; podemos ver mas não podemos segurar. Na instalação Cidades-Nuvem, a interconexão dos desenhos cartográficos suspensos no ar, unida a sua transparência e azuis sutis, nos transporta para esse lugar do etéreo, do fluxo interno, que não tem começo nem fim e é, portanto, infinito”, explica Suzana.

Outra presença marcante é a vídeo instalação Movimento², de Celina Portella (à direita), artista que este ano foi indicada pela segunda vez ao Prêmio Pipa.

A obra, composta por um conjunto de 5 vídeo-objetos, traz mecanismos que movem telas de tv em sincronia com suas imagens. Na concepção da artista “a imagem do corpo aparece contida no quadro da tela, se relacionando com seus limites como se fossem limites reais do espaço em que se insere. ”

O projeto Movimento² foi desenvolvido na residência LABMIS 2010 no Museu da Imagem e do Som em São Paulo e remontado em 2014 através do I Programa de Fomento a Cultura Carioca em Artes Visuais.

Na Casa Galeria, o público poderá conferir os “vídeos-objetos” 1, 2 e 3, nos quais as telas são fixas e a relação com o espaço se difere pela variação das dimensões do corpo contido no frame videográfico.

Ainda neste ambiente, os visitantes apreciam a escultura “Descanso da sala’ de José Spaniol (à esquerda), uma obra inédita de Raphael Bianco, o único da série Luzes ainda disponível, além de obras de Mai-Britt Wolthers, José Bechara, Andrea Brown, Shirley Paes Leme, Vilar, Lara Felipe, Rosana Paste e outros.

A Matias Brotas também realiza a curadoria da ‘Casa Empresa’ de Kassio Fontoura e Marcela Grasselli, e leva para o ambiente uma única parede composta com 21 gravuras inéditas do artista Antonio Bokel.

Na casa, ainda há em destaque uma fotografia da série “Here, There and In-Between – Alemanha” de Miro Soares (à direita), dois trabalhos de Andréa Brown que exploram diferentes materiais e suportes, como madeira, ferro, cerâmica fotografia e pintura em constante trânsito de materialidades e diálogos entre arte e arquitetura. O espaço também expõe obras de Lara Felipe, Suzana Queiroga, José Spaniol, Orlando da Rosa Farya e outros artistas.

A ‘Casa Hotel’ das arquitetas Cintia Chieppe e Marcia Paolielo traz uma seleção de diferentes suportes artísticos como a obra “Vão os meus passos de vida” de Shirley Paes Leme (à esquerda) com a técnica água de mangue sobre tela, uma tela de Paulo Whitaker, fotografias de Orlando da Rosa Farya e trabalhos de Júlio Tigre e Suzana Queiroga.

A Matias Brotas também realiza a curadoria da ‘Casa Clube’ de Sérgio Caus. Destaque para a obra de Lincoln Dias, com o quadro da série Branca, de 2017. Fotografias do artista capixaba Orlando da Rosa Farya e uma escultura de Manfredo de Souzanetto também compõem este ambiente.

O ‘Loft Ipanema’ de Tamara Raizer traz uma seleção de trabalhos de Lara Felipe, com objetos produzidos em diferentes momentos da carreira da artista, que introduzem uma poética de memórias e afetos. O Loft também traz uma composição de gravuras em metal de Mai-Britt Wolthers e pinturas de Renata Egreja, Raphael Bianco e Suzana Queiroga.

A galeria também tem obras na ‘Casa do Apreciador” da arquiteta Letícia Finamore. Destaque para a obra “Núbia e Luiz” (2015), de André Andrade, novo artista que passa a fazer parte do portfólio da Matias Brotas arte contemporânea.

Uma enorme pintura de José Bechara é destaque na entrada se comunica com a escultura “mesa” da artista Rosana Paste. Outro destaque do ambiente é “o peso exato dessa leveza” da artista Lara Felipe (à direita). Essa obra foi selecionada pelo curador Marcus Lontra e fez parte da Trio Bienal em 2016.

“A curadoria desses ambientes, com mais de 90 obras, demonstra como a arte vem cada vez mais se inserindo nos projetos dos arquitetos e decoradores, que contribuem para o maior acesso aos moradores, mostrando de diferentes formas como a arte pode estar nos variados ambientes, podendo ser apreciada diariamente dentro de casa”, complementa Lara Brotas.

Danielle Ewald

Comentários