Menu

quinta, 24 de setembro de 2020

Curtas premiados na 12ª Mostra Produção Independente serão exibidos pela Sessão ABD

Janela para audiovisual produzido no Espírito Santo, Sessão ABD retoma

atividades com exibição de filmes destaque da 12ª Mostra Produção Independente – Aldeias.

 

Oito curtas farão parte da sessão. As produções premiadas “Hic”, de Alexander Buck (a esquerda); “Como Areia do Mar”, de Raphael Sampaio; “Transvivo”, de Tati W Franklin; “Hotel Cidade Alta”, de Vitor Graize; “Divina Luz”, de Ricardo Sá; e “Córrego Grande, 13”, de Carol Covre; e as menções honrosas “Polígono”, de Caio Fabricius; e “No caminho da escola”, dos Alunos do projeto Animação”.

Realizada em agosto deste ano, a 12ª Mostra Produção Independente – Aldeias exibiu uma seleção de 19 filmes de realizadores do Espírito Santo que foram escolhidos entre 80 produções inscritas.

Todos os anos, a Mostra Produção Independente tem apresentado um panorama da recente criação cinematográfica local em diversos gêneros narrativos e distintos modelos de produção e propostas estética e temáticas. A Mostra Produção Independente e a Sessão ABD são uma realização da Associação de Documentaristas e Curta-Metragistas do Espírito Santo, a ABD Capixaba.

Filmes da Sessão
Dono do Prêmio Especial do Júri, “Hic”, de Alexander Buck, intitula-se como um curta experimental que se vale do realismo fantástico e insólito para evidenciar o racismo cotidiano na ilha de Vitória. No filme, um maratonista africano ganha a capacidade de se teletransportar, o que atrai os olhos da mídia internacional.

O júri da 12ª Mostra Produção Independente justificou o mérito da premiação à originalidade do roteiro, à experimentação da linguagem e o modo inovador como o tema do racismo foi abordado.

Integram a sessão três produções contempladas com o Prêmio Destaque: “Hotel Cidade Alta”, “Divina Luz” (foto à esquerda) e “Córrego Grande, 13”.

Filme que já circulou por algumas mostras nacionais, “Hotel Cidade Alta”, de Vitor Graize, foi premiado pela qualidade técnica e pela experimentação narrativa que mescla ficção e realidade de modo bastante autoral.

No documentário “Divina Luz”, Ricardo Sá teve o mérito de empreender uma intensa pesquisa de arquivo e utiliza de soluções audiovisuais criativas para resgatar a história de uma importante figura feminina: a bailarina e naturista Luz del Fuego.

No documentário “Córrego Grande, 13”, um excelente trabalho de som e de fotografia e uma montagem propícia à reflexão expressam a intimidade entre a diretora Carol Covre e seus avós em conversas sobre a memória e o pertencimento.

Também serão exibidos dois documentários que foram vencedores da Mostra Produção Independente com Prêmio Incentivo.

“Como Areia do Mar”, de Raphael Sampaio, curta que discute a fragilidade da memória humana tendo como interlocutoras mulheres idosas com alzheimer; e “Transvivo”, de Tati W. Franklin, que chamou a atenção pelo modo como aborda um tema urgente na sociedade – a transexualidade – ao aproximar os personagens principais – dois jovens transexuais – do público usando o dispositivo do auto-registro.

Completam a programação “Polígono”, de Caio Fabricius, e “No Caminho da Escola”, dos Alunos do Projeto Animação, curtas que receberam Menções Honrosas.

SERVIÇO
Sessão ABD: Premiados da 12ª Mostra Produção Independente – Aldeias
Terça-Feira, 21 de novembro, às 19 horas, no Cine Metrópolis/Ufes – Vitória-ES
Entrada Franca!

Programação

Menções Honrosas
No Caminho da Escola, dos Alunos do projeto Animação (Animação, 9 min., 2017) / Sinopse: no caminho da escola, uma menina faz uma viagem alucinante por planetas imaginários e perde a primeira aula;

Polígono, de Caio Fabricius (Ficção, 12 min., 2016, Livre) / Sinopse: Lis comeu uma uva e se lembrou;

Prêmio Incentivo
Transvivo, de Tati W Franklin (Documentário, 30 min., 2017, Livre) / Sinopse: Transvivo é um documentário que acompanha as vivências de Izah e Murilo enquanto passam pelo processo de transição de gênero;

Como Areia do Mar, de Raphael Sampaio (Documentário, 19 min., 2016, Livre) / Sinopse: compilado de memórias de três idosas, onde suas histórias de vida se cruzam e se misturam a serviço de sensações múltiplas, refletindo suas dores, traumas e opressões vividas;

Prêmio Destaque
Hotel Cidade Alta, de Vitor Graize (Ficção, 25 min., 2016, Livre) / Sinopse: três homens se encontram em um antigo hotel abandonado. Nesse edifício aparentemente sem vida, eles buscam construir uma nova história. Suas vozes se misturam ao ruído das ruas;

Divina Luz, de Ricardo Sá. (Documentário, 15 min., 2017, 12 anos) / Sinopse: o pensamento vivo de Luz del Fuego, a bailarina naturista que balançou o Brasil nos anos 50;

Córrego Grande, 13, de Carol Covre (Documentário, 13 min., 2015, Livre) / Sinopse: na rua Córrego Grande, eu e meus avós conversamos sobre fotografia e um futuro museu;

Prêmio Especial do Júri
HIC, de Alexander Buck (Experimental,15 min., 2016, 14 anos) / Sinopse: o maratonista africano Wandijiru Kebebe é acometido por uma crise de soluços que o teletransportam para as mais inusitadas situações na pequena ilha de Vitória, transformando-o em um fenômeno midiático mundial.

Com Paulo Gois Bastos / 27 98134 6831

Comentários