Menu

tera, 12 de dezembro de 2017

Aqui Rubens Pontes: Poema de sábado / Homenagem a “Colatina, cidade leitora” pelo seu Concurso Nacional de Poesia

A cidade de Colatina, terra natal do nosso editor-chefão, tem tido quebrada a serenidade de sua trajetória
ao longo do tempo também por insuspeitada ocorrência, por ineditismo na ação política, por sua
iniciativa no campo da cultura.

O Brasil inteiro se quedou perplexo quando a notícia de um homem, cidadão de Catanduva, SP, abduzido por alienígenas, surgiu de repente, no mês de abril de 1974, numa estrada de acesso à cidade. A história de Onilson Pátero correu mundo sem que nenhuma explicação razoável fosse suficiente para confirmar ou desmentir a incrível história de sua captura, seu transporte a bordo de um OVNI, e seu abandono nos arredores da cidade capixaba.

No Congresso Nacional, numa fase de turbulência política, os ânimos acirrados só ganharam serenidade quando um senador capixaba, nascido em Colatina, foi escolhido para presidir o Senado federal.

Até então desconhecido no plano federal, o senador Moacir Dallas assumiu o alto posto e conduziu os trabalhos da Casa com serenidade e equilíbrio até o fim do mandato legislativo.

Colatina passou a integrar o panteon da nossa história política.

No campo da atividade intelectual ligada à criação literária, Colatina vem dando um exemplo pouquíssimas vezes observado nas grandes metrópoles brasileiras.

A criação do “Dia da Poesia”, 14 de março, é um projeto da Prefeitura Municipal, coordenado por Patrícia Ferreira dentro do programa “Colatina Cidade Leitora”.

À esquerda: Geraldo Pereira, que fez da Rádio Difusora de Colatina uma das maiores do ES; Arthur Carlos Gerhardt Santos, Moacyr Dalla e Syro Tedoldi

O Concurso Nacional de Poesia instituído vem atraindo, há anos, poetas de vários Estados – fantásticos três mil trabalhos produzidos por mais de dois mil poetas em quatro edições entre 2006 e 2009, este último realizado em homenagem a Elisa Lucinda.

Os vencedores, além do prestígio a eles concedidos,recebem prêmios em dinheiro: 800 reais para o vencedor, e 500, 400 e 300, para outros quatro classificados.

A solidariedade do novo Portal Don Oleari, da Rádio Clube da Boa Música e deste colunista à meritória iniciativa, se reflete no poema selecionado para leitura neste sábado.

Seu autor, Reginaldo Costa de Albuquerque (à direita), é um pantaneiro nascido em Campo Grande e residente em São Sebastião do Umbuzeiro, Estado de Pernambuco, mais de cem vezes premiado em concursos literários.

Foi ele vencedor do concurso em 2011 com seu poema “Pescador”, um testemunho do interesse despertado pela iniciativa até em distantes Estados brasileiros.

Concurso Nacional de Poesia de Colatina – 2010/2011

Resultado Final

VENCEDORES
1º LUGAR
PESCADOR
Reginaldo Costa de Albuquerque
Campo Grande/MS

2º LUGAR
DESACORDO
André Luiz Alves Caldas Amora Rio de Janeiro/RJ

3º LUGAR MUDANÇA
Ileides Joana Mulher
Campo Grande/MS

4º LUGAR
SE EU MORRER
André Telucazo Kondo
Jundiaí/SP

O soneto escolhido, “Cris Dakinis”, é uma homenagem a outra grande figura da literatura brasileira.

Soneto “Cris Dakinis”

Reginaldo Costa Albuquerque

Dizes que és inventada, mas não creio!
Em sábia brincadeira um deus risonho,
maravilhado lendo o teu anseio,
abriu tua alma inteira para o sonho.

O teu olhar no azul se espalha em cheio…
Com as letras inventaste um ser bisonho,
que ao toque do estro não mais passa alheio
e ecoa nestes versos que componho.

Com ele buscas outros ideais,
novo sentido às coisas deste mundo,
um ramo de sanhaços nos quintais…

Por arte de magia, aplauso em bis:
nasceste Ana e, no mesmo áureo segundo,
sopra velas também, Cris Dakinis.

Rubens Pontes

é jornalista,

radialista,

escritor – – Passos, saltos & quedas,
livro de Rubens Pontes no linki abaixo:https://rubenspontes.com.br

No linki abaixo, um relato do sequestro e do aparecimento do livreiro Onilson Pátero num morro de Colatina, ES.

https://www.megacurioso.com.br/aliens/48046-caso-patero-conheca-a-historia-de-uma-das-abducoes-mais-famosas-do-brasil.htm

Comentários