Menu

sbado, 20 de outubro de 2018

Homenagem do Portal Don Oleari a um Ferreguetti

Tudo deveria ter sido dito niquiqui aconteceu. O tempo passou, não disse o que pensava dizer – dizer, escrevendo, claro – o tempo foi passando. Mas nunca é tarde pra se homenagear a um profissional competente.

Daí, garro destas teclas pra digitar estas bem traçadas linhas. Não tem como escrever “mal traçadas linhas”, quinemqui diziam os antigos ao garrá a caneta pra iscrevê uma cartinha naquelas folhas de papel com linhas azuis.

Homenageio a um Ferreguetti que tive o privilégio de conhecer há um tempim.

Jornalista, apresentadora de tele-jornais, entrevistadora. Acertou quem arriscou Jane Ferreguetti. Acho que a via nos tele-jornais da TVE, salvo engano dos meus dois neurônios que tudo sabem, tudo ouvem, tudo registram.

Via aquela apresentadora charmosa, elegante, carismática, e garrava a maginá:

– Essa moça deveria estar em tele-jornais de grandes redes nacionais de tevê e não na “TV deus”, quinem a chamava o repórter Marinaldo Tristão. Ao se perguntar ao Marinaldo por que “tv deus”, ele respondia:

– Todo mundo sabe que existe, mas ninguém vê…”

Maldade do Marinaldo, que também foi um ranzinza às vezes bem humorado.

Jane Ferreguetti sempre foi uma das melhores apresentadoras de televisão de todos os tempos na televisão da sede da Capitainia do ES. Sabia falar, entrevistar.

Na foto, Jane Ferreguetti, Gina Leal, Iracema Neves, Isabela Chieppe.

Sabia se apresentar muito bem, vestida elegantemente e bonitamente. Porque, a bem da verdade, apresentadora de televisão na Capital da Capitania do ES sempre se vestiu mal, sempre se maquiou mal, sempre foi de um mau gosto inenarrável.

A não ser, num periodo ou outro, em que a nossa Consultora de Imagem favorita, Elian Ramile Guimarães (foto), foi requisitada pra acertar o extremado mau gosto de apresentadoras em geral nas tevês de Vitória, Linhares, Colatina, minha terra, ou Cachoeiro de Itapemirim.

Jane Ferreguetti sempre foi a exceção. Aparecia lindamente na telinha da tevê.
Que me lembre, acho que outras duas apresentadoras seguiam o mesmo padrão de bom gosto: Lena Mara e Jeanne Bilich.

Os Ferreguetti têm a “manha” da competência. Taí agora o engenheiro agrônomo Geraldo Ferreguetti competindo numa eleição para Presidente do Conselho de Engenharia do ES – Crea/ES.

Conheci-o rapidamente, como ao outro irmão Wallace Ferreguetti. Eles não me conhecem.

Geraldo Ferreguetti é alto executivo do Grupo Caliman, de Linhares, com empreendimentos no ES, no Maranhão e na Guatemala.

Muito conceituado, pelo que pesquisei na área. Se não sabem, convivi nos muitos anos de “Jornal Agropecuário” na Rádio ES e no “Jornal do Povo” na TV Vitória com engenheiros agrônomos, técnicos agrícolas, extensionistas domésticos, pesquisadores da véia Emcapa (todos hoje concentrados no Incaper). Conheço um tanto de gente na área.

Disse a ele dia desses, depois de um encontro de campanha:

– “óia, já ouvi uns 800 mil candidatos a  tudo, inclusive classistas. Sua fala é boa, é leve, não passa “enrolação”, passa sinceridade, passa intenção de juntar as categorias, de construir coletivamente”.

Nem sei se prestou atenção. Mas é isso.

Em homenagem à Jane Ferreguetti, digo que o Geraldo merece o voto dos meus amigos e seguidores engenheiros das diversas catigurias de engenheiros (Oswaldo Oleari).

Pitaco do Oleari

À minha meia dúzia e meia de leitores: se mereço algum crédito pelo meu currículo e trabalho profissional, peço aos engenheiros entre meus quase 20 mil (per)seguidores no perfil e nas minhas fanpeijis que me dêem um voto.

Um voto pro Geraldo Ferreguetti – Jane Ferreguetti – pra prisidenti do Crea-ES. A eleição é nesta sexta, dia 15. Muitos engenheiros não têm cadndiato ou não se interessam pela eleição. Se mereço esse crédito, peço um voto no 118.

Comentários