Menu

segunda, 22 de outubro de 2018

Secretaria de Agricultura do ES, pescadores e Ibama discutem ações para desenvolver setor pesqueiro

Portaria n° 445/2014 proibiu a pesca de 475 espécies no Brasil,

entre elas a Garoupa e o Badejo.

O diagnóstico e a organização do setor pesqueiro no Espírito Santo foram tema de reunião para desenvolver a pesca e aquicultura e buscar medidas para minimizar os impactos da portaria 445/14, do Ministério do Meio Ambiente, que restringiu espécies que podem ser pescadas.

O secretário da Agricultura Ideraldo Lima (abaixo, à esquerda) recebeu no encontro representantes da Secretaria da Agricultura, Abastecimento, Aquicultura e Pesca (Seag), de pescadores e do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis no Espírito Santo (Ibama-ES).

Nesta quinta-feira (19), junto ao Ibama-ES, foram analisadas estratégias para diagnóstico da cadeia produtiva da pesca no ES.

O Ministério do Meio Ambiente liberou, nesta quinta-feira (19), a pesca de quatro espécies de peixes, dentre elas o badejo amarelo e a garoupa, tradicionais na costa do ES, por 120 dias.  Este período será utilizado para a implementação das ações em debate.

Desde o último dia 15 de junho, estava proibida a pesca dessas espécies por conta da Portaria 445.

A cadeia produtiva da pesca no Espírito Santo é um importante segmento socioeconômico. Uma das principais atividades da economia em 14 municípios litorâneos capixabas, a pesca é exercida por 55 comunidades pesqueiras distribuídas ao longo da costa, ocupando o 10º lugar na escala nacional.

Existem mais de 16 mil pescadores no ES e aproximadamente 60 mil famílias vivem da pesca, direta e indiretamente, no Espírito Santo.

Com Pedro Callegario e Luiza Medina, da Assessoria de Comunicação da Seag

Texto final e edição: Don Oleari

Comentários