Menu

domingo, 19 de agosto de 2018

Uchôa de Mendonça: Paulo Hartung procura um bode expiatório

O articulista afirma que o Sr. Paulo Hartung não se reelegerá. Por isso, procura um “bode expiatório” para justificar sua retirada da candidatura à reeleição.

 

Governador do Estado com três mandatos (cumprindo o último), o sr. Paulo Hartung, incluído merecidamente entre os melhores governadores que o Estado teve nos últimos tempos, tentou, através de uma entrevista exclusiva para A GAZETA explicar do porque está deixando de concorrer à reeleição

Deu como motivo maior um possível surto de populismo, com a eleição do sr. Jair Bolsonaro para a presidência da República, ressaltando:

– “O ambiente no país está ruim, a população está irritada com tudo o que viu, e com muita razão. Mas isso cria as bases para um surto populista ”, referindo-se ao candidato Sérgio Bolsonaro, e “tem gente dizendo que é como o Trump, nos EUA.”

Não vamos desmerecer a opinião do governador Paulo Hartung mas, parece-nos que ele não está temeroso com a eleição de Bolsonaro, como nunca esteve com a eleição de Sarney, Fernando Henrique, Lula, Dilma e a sucessão de Temer, um semelhante aos demais…Fazendo de Bolsonaro um “bode expiatório” para não concorrer a reeleição.

A bem da verdade e, se tivermos eleições em outubro próximo, dificilmente quem está no poder se reelegerá. Devem ocorrer reeleições e até eleição de continuidade, mas será um negócio difícil e, por circunstâncias naturais, se candidato for à reeleição o governador Paulo Hartung, pelas circunstâncias da política nacional, dificilmente se reelegerá. Mesmo que seja para pior, a maioria vai preferir experimentar sangue novo.

É inadmissível que repitamos reeleições como a de Lula e Dilma. É um escárnio, um ultraje à dignidade nacional. Essa gente pilha os cofres públicos, dão um atestado de populismo indecente, imoral mesmo, e ainda deseja voltar, de dentro das grades, como querem uns atacados do vírus da mediocridade.

O governador Paulo Hartung, com relação ao Brasil, teve um diálogo triste com a reportagem de A GAZETA:

– “O país tem que acertar suas contas. Esse desajuste nas contas vai virar hiperinflação. O país está gastando RS 150 bilhões a mais do que arrecada. E o mundo está se afastando do Brasil. E o mundo está começando a achar que a gente não vai reencontrar o caminho.”

Sempre faltou inteligência aos nossos governantes, que imaginam os recursos públicos como inesgotáveis! Vejam como malas e mais malas de dinheiro andam por aí, espalhadas pelo chão, sem um mínimo de respeito, nunca se roubou tanto no mundo.

Sob o grito de ordem imbecil, “o petróleo é nosso”, aventureiros da pior qualidade, refinados ladrões pilharam a Petrobras, o Banco do Brasil, a Caixa Econômica Federal, tudo que encontraram pela frente, afora o empreguismo desenfreado. Vejam que só o Estado do Espírito Santo tem 60% de servidores públicos inúteis: uma simples Secretaria de Turismo tem 71 servidores.

Não tem país que suporte tal sangria.

 

 

 

Uchôa de Mendonça
é jornalista

Comentários