Menu

domingo, 19 de agosto de 2018

Uchôa de Mendonça: A política (como ela é)

Diz a história que cachorro mordido de cobra tem medo de linguiça. Ricardo Ferraço não queria a candidatura e se juntou a Casagrande.

 

O Sr. Christiano Dias Lopes Filho, a quem tive a honra de servir como secretário particular durante seu governo, me disse, certa feita, que eu não dava para ser político, por ser muito radical no trato com as pessoas e, em política, precisava ter duas caras, as vezes até mais.

Contava os dias para trás, para ver quanto tempo faltava para terminar o governo e eu cair fora…

Não faz muito tempo que assistimos, com a participação do governador Paulo Hartung, o hoje senador Ricardo Ferraço ser substituído como candidato ao governo pelo Sr. Renato Casagrande.

Houve um desconforto que dura até hoje, mas, assim mesmo, o Sr. Ricardo Ferraço conseguiu se eleger senador e tem representado bem o Estado.

Agora, recente, esperava-se que o senador Ricardo Ferraço entrasse na disputa pelo governo do Estado, se confrontando com o candidato Renato Casagrande.

Num passado recente, quando era governador, Casagrande viu voltar para disputar com ele a governança do Estado o então ex- governador Paulo Hartung, que ajudara a colocá-lo no Anchieta.

Esse tipo de política de toma lá dá cá, sempre dá em merda porque o sucessor não agrada ou não faz o que o antecessor quer, pensa que manda, vindo a desunião, o que aconteceu entre Hartung e Renato.

Em abril, a imprensa capixaba publicava uma entrevista do governador, onde ele já vislumbrava, de forma sub-reptícia, que não ia concorrer, apontando como possíveis sucessores os políticos Cesar Colnago, vice- governador do Estado; André Garcia, ex secretário de Segurança Pública; deputados Érick Musso, Amaro Neto e Sérgio Vidigal.

Agora, em meados de julho, o governador Paulo Hartung, solenemente, declinou em concorrer à reeleição, deixando o campo aberto para um dos apontados anteriormente.

O mais propenso a aceitar foi o vice- governador César Colnago, acho que, dentro de um panorama, se tiver eleição em outubro próximo, seria, do grupo, o único com cacife suficiente para peitar o candidato Renato Casagrande. Aliás, diferente de todos concorrentes ao governo do Estado, quem irradia mais simpatia, credibilidade, é o italiano César Colnago,

Diz a história que cachorro mordido de cobra tem medo de linguiça. O governador Paulo Hartung imaginou que o senador Ricardo Ferraço iria se enfeitar para concorrer ao governo do Estado, e até ajudou a desincentivar a candidatura de César Colnago.

Mas buscando os acontecimentos anteriores, a mordida da cobra, o senador Ricardo Ferraço levou o PSDB a apoiar o Sr. Renato Casagrande, ajudando a fechar a aliança PSDB, DEM e PDT, com o PSB de Renato Casagrande. E não arreda pé da posição.

É o maior furdunço da política capixaba das últimas décadas. Não se registra na história recente imbroglio mais divertido. Um verdadeiro saco de gatos… E que gatos…

Tudo isso faz aparte do medo que setores da política nutrem sobre a possibilidade da eleição de Jair Bolsonaro, que prefere marchar sozinho, com seu partido, do que mal acompanhado…

E o resto que se dane, que não surja uma cara nova.

 

Uchôa de Mendonça

é jornalista

Comentários