Menu

quarta, 26 de setembro de 2018

“Pastor Cláudio”, de Beth Formaggini, venceu categoria Melhor Filme na 8ª Mostra Competitiva Nacional de Longas

 

Os premiados da 25ª edição do Festival de Cinema de Vitória

Érica Sansil, melhor Direção por “Esperando Sábado”

Após uma maratona de exibições, homenagens, oficinas e debates, o 25º Festival de Cinema de Vitória chegou ao fim neste sábado, no Teatro Carlos Gomes, com a premiação dos melhores filmes em diversas categorias.

A cerimônia, com apresentação do ator Alex Reis e Larissa Delbone (baixo, à esquerda), produtora-executiva do FCV, distribuiu ao todo 21 Troféus Vitória, além de menções honrosas e premiações extras.

A noite de encerramento foi marcada ainda pelas sessões especiais dos curtas-metragens “Boca de Fogo”, de Luciano Pérez Fernández, e “Nova Iorque”, de Léo Tabosa. Os alunos da Oficina de Realização em Cinema e Vídeo, conduzida pelo cineasta Luiz Carlos Lacerda, também exibiram um curta produzido durante as aulas, “Cadeira Vazia”.

Entre os vencedores da 22ª Mostra Competitiva Nacional de Curtas, os destaques foram “Peripatético”, de Jéssica Queiroz, que levou o Troféu Vitória de Melhor Filme, e “Esperando Sábado”, que rendeu a Melhor Direção a Érica Sansil.

Na 8ª Mostra Competitiva Nacional de Longas, “A Cidade dos Piratas”, de Otto Guerra, levou os prêmios de Melhor Direção e Melhor Roteiro (Rodrigo John, Laerte Coutinho, Thomas Créus e Otto Guerra), enquanto o documentário “Pastor Cláudio”, de Beth Formaggini, foi o vencedor na categoria Melhor Filme.

O ator Markus Konká, de “A Mata Negra”, levou o Troféu Vitória de Melhor Interpretação.

Estreia deste ano, a Mostra Nacional de Cinema Ambiental-Sessão Petrobras teve como vencedor o filme “Rio das Lágrimas Secas”, de Saskia Sá. A obra também levou o prêmio de Melhor Filme da 7ª Mostra Foco Capixaba.

Festival

Iniciado na última segunda-feira (3), o 25º Festival de Cinema de Vitória é o mais tradicional evento de audiovisual do Espírito Santo. Ao longo de seis dias, foram exibidos mais de 80 filmes, divididos em 11 mostras competitivas e sessões especiais.

Além do Theatro Carlos Gomes, houve atividades no Hotel Senac Ilha do Boi e na Universidade de Vila Velha (UVV), incluindo as homenagens a Cláudio Tovar, Maria Gladys, Neville D’Almeida e Luiz Carlos Barreto.

25º Festival de Cinema de Vitória

Realização: Galpão Produções e Instituto Brasil de Cultura e Arte (IBCA)

Patrocínio: Ministério da Cultura, através da Lei de Incentivo à Cultura, Petrobras, Banco Nacional do Desenvolvimento (BNDES), Banco Regional de Desenvolvimento (BRDE), Fundo Setorial do Audiovisual (FSA), Ancine e Governo Federal

Apoio: Rede Gazeta, Prefeitura Municipal de Vitória, Secretaria de Cultura do Espírito Santo.

Apoio Institucional; Centro Técnico do Audiovisual (CTAv), Canal Brasil, Arcelor Mittal, Link Digital, Mistika, Cia. Rio, UVV, Marlim Azul Turismo e Carla Buaiz Joias

Os vencedores do 25º Festival de Cinema de Vitória:

Troféu Vitória:

22ª MOSTRA COMPETITIVA NACIONAL DE CURTAS

Melhor Filme: “Peripatético”, de Jéssica Queiroz

Prêmio Especial do Júri : “BR3”, de Bruno Ribeiro

Melhor Direção : Érica Sansil, por “Esperando Sábado”

Melhor Roteiro: Gabriela Amaral Almeida, por “Vaca Profana”

Melhor Contribuição Artística: Marco Antônio Pereira, por “Alma Bandida”

Melhor Interpretação: Rosa Luz, por “Estamos Todos Aqui”

Prêmio do Júri Popular: “Braços Vazios”, de Daiana Rocha

Menções Honrosas

“Maré”, de Amaranta Cesar

“Entre Pernas”, de Ayla de Oliveira

“Tentei”, de Laís Melo

“Maria”, de Elen Linth e Riane Nascimento

8ª MOSTRA COMPETITIVA NACIONAL DE LONGAS

Melhor Filme: “Pastor Cláudio”, de Beth Formaggini

Melhor Direção: Otto Guerra, por “A Cidade dos Piratas” (foto)

Melhor Roteiro: Rodrigo John, Laerte Coutinho, Thomas Créus e Otto Guerra, por “A Cidade dos Piratas”

Melhor Interpretação: Markus Konka, de “A Mata Negra”

8ª MOSTRA QUATRO ESTAÇÕES

Melhor Filme: “Azul Vazante”, de Júlia Alquéres

7ª MOSTRA CORSÁRIA

Melhor Filme: “Os que se vão”, de Clarissa Campolina e Luiz Pretti

“Bup”, de Dandara de Morais

Menções Honrosas

“Boca de Loba”, de Bárbara Cabeça

“Materializações Luminosas”, de Victor Neves

7ª MOSTRA FOCO CAPIXABA

Melhor Filme: “Rio das Lágrimas Secas”, Saskia Sá (foto)

Menção Honrosa: “A Mulher do Treze”, de Rejane Kasting Arruda

5ª MOSTRA OUTROS OLHARES

Melhor Filme: “De Volta para o Passado”, de Diego de Jesus

3ª MOSTRA CINEMA E NEGRITUDE

Melhor Filme: “Eu sou o Super-homem”, de Rodrigo Batista

Menções Honrosas

“Algum Romance Transitório”, de Caio Casagrande

“Òpara de Òsùn: Quando Tudo Nasce”, de Pamela Peregrino

“Quem Perdeu o Telhado em Troca Recebe as Estrelas”, de Henrique Zanoni

3ª MOSTRA MULHERES NO CINEMA

Melhor Filme: “Mc Jess”, de Carla Villa-Lobos

Menções honrosas

“Em busca de Lélia”, de Beatriz Vieirah.

“Fofa”, de Flora Pappalardo.

2ª MOSTRA NACIONAL DE VIDEOCLIPES

Melhor Filme: “A Mulher do Fim do Mundo”, de Paula Gaitán (performance de Elza Soares)

Menção Honrosa

“Cherry Blossom”, de Junior Batista (performance de Solveris)

1ª MOSTRA NACIONAL DE CINEMA AMBIENTAL

Melhor Filme: “Rio das Lágrimas Secas”, de Sáskia Sá

Menção Honrosa

“Plantae”, de Guilherme Gehr

19º FESTIVALZINHO DE CINEMA DE VITÓRIA

Melhor Filme (Júri Popular) :“O Espírito do Bosque”, de Carla Saavedra Brychcy

Prêmios especiais:

3ª Mostra Mulheres no Cinema

Prêmio CTAv ao Melhor Filme escolhido por Júri Técnico: empréstimo de equipamentos

(SI-2K e acessórios) por duas semanas e serviço de mixagem de 20 horas.

“Mc Jess”, de Carla Villa-Lobos

Prêmio Link Digital para o Melhor Filme escolhido por Júri Técnico: 4 horas de correção de cor e encode para DCP de curta de até 15 minutos.

“Mc Jess”, de Carla Villa-Lobos

3ª Mostra Cinema e Negritude

Prêmio CiaRio-Brasil ao Melhor Filme, escolhido por Júri Técnico: R$ 6 mil em locação de equipamentos de iluminação, acessórios e maquinaria; através da empresa NAYMAR, com validade de 1 ano.

“Eu sou o Super-homem”, de Rodrigo Batista

Prêmio Mistika ao Melhor Filme escolhido por Júri Técnico: serviço de encode de DCP de até 15 minutos com validade de 1 ano.

“Eu sou o Super-homem”, de Rodrigo Batista

22ª Mostra Competitiva Nacional de Curtas

Prêmio Cia Rio-Brasil ao Melhor Filme escolhido por Júri Popular: R$ 8 mil em locação de equipamentos de iluminação, acessórios e maquinaria, através da empresa NAYMAR com validade de 1 ano.

“Braços Vazios”, de Daiana Rocha

Prêmio CiaRio-Brasil ao Melhor Filme escolhido por Júri Técnico: R$ 8 mil em locação de equipamentos de iluminação, acessórios e maquinaria, através da empresa NAYMAR, com validade de 1 ano.

“Peripatético”, de Jéssica Queiroz

Prêmio CTAv ao Melhor Filme escolhido por Júri Técnico: empréstimo de equipamentos (SI-2K e acessórios) por duas semanas e serviço de mixagem de 20 horas.

“Peripatético”, de Jéssica Queiroz

Prêmio Mistika ao Melhor Filme escolhido por Júri Técnico: serviço de encode de DCP de até 15 minutos com validade de 1 ano.

“Peripatético”, de Jéssica Queiroz

Com Danielle Ewald

Comentários