Menu

tera, 18 de dezembro de 2018

Aqui Carlos Fernando Lima – A Caminhada do Santuário (de Anchieta a Presidente Kenedy)

Pitaco do Oleari: – Como acompanho religiosamente seus escritos no feissibucki, me ocorreu a ideia de propor ao Carlos Fernando Lima o Portal Don Oleari ir juntando tudo e se tornar um depositário dos seus ótimos textos, fotos e ilustrações diversas.

Fiquei feliz pracaramba à beça niquiqui ele topou. Com certeza, mais um participante topidilinha desta jornada do Portal Don Oleari teimosamente tentando exibir a um público seletivo trabalhos de jornalistas, escritores, poetas, que tenham conteúdo.

Seja bem chegado, Carlos Fernando. Retomamos uma proveitosa e rica parceria iniciada há 38 anos. Vamuquivamu (Oswaldo Oleari).

 

O principal trecho das andanças dos jesuítas pelo litoral Sul capixaba, notadamente na primeira metade do século XVIII, de Vitória à Fazenda Muribeca em Presidente Kennedy, entra no circuito das caminhadas.

Começou com os Passos Anchieta e agora será complementado com o novo percurso, saindo do Santuário de Anchieta (à direita), dia 16, chegando dia 18 de novembro corrente no Santuário das Neves (à esquerda).

Nos três séculos de presença no Brasil, a Companhia de Jesus foi atuante no Espírito Santo. As suas fazendas ficavam em Muribeca, Presidente Kennedy, Igreja das Neves, produtora de carne bovina, queijos e pescados, abastecendo Vitória e Rio de Janeiro; em Anchieta, Santuário de Anchieta, especializada na extração de madeira; Araçatiba, Viana, produtora de açúcar; e, em Nova Almeida, Igreja dos Reis Magos, Serra, produção de farinha de mandioca.

Elas abasteciam a igreja, o colégio de São Tiago e o mercado que os jesuítas tinham em Vitória.

Foto: Rafael Pereira

– Caminhada feita em janeiro, começando no trecho onde termina a ocorrência das falésias, retornando a Marataízes.

A Caminhada do Santuário passará por Iriri, Piúma, Itaipava, Itaoca, foz do rio Itapemirim, Marataízes, percorrendo os cerca de 18 quilômetros de falésias, maior trecho do litoral capixaba com este tipo de ocorrência, entra em Kennedy, trecho final do percurso.

Embora não sejam livros específicos sobre a fazenda Muribeca, onde os jesuítas tinham cerca de 300 escravos, três publicações de viajantes que saíram do Rio de Janeiro, pegaram o Caminho Litorâneo, ligando a Salvador, passando por ela no primeiro quartel do século XIX, contém fragmentos que atestam a sua existência e importância.

O primeiro registro disponível é do bispo D. José Caetano da Silva Coutinho, colhidos nas duas viagens feitas ao estado, 1812 e 1819, publicado em O Espírito Santo em Princípios do século XIX.

Depois foi a vez do Príncipe Maximiliano (à esquerda), que seguiu até Ilhéus, passando por ela em 1815, registrando suas impressões no excelente livro Viagem ao Brasil.

O terceiro é o naturalista francês Auguste de Saint-hilaire, também viajante do Caminho Litorâneo em 1819, anotou observações transcritas no Viagem ao Espírito Santo e Rio Doce (à direita), obra referência sobre aquele período da vida capixaba.

Os jesuítas foram expulsos do Brasil em 1758, ordem assinada pelo homem poderoso da Corte Portuguesa, Marquês de Pombal.

Outra ótima referência bibliográfica sobre a expulsão dos missionários da Companhia de Jesus do Espírito Santo é Uma Devassa Contra os Jesuítas do Espírito Santo (1761), do historiador Estilaque Ferreira dos Santos. Passos de Anchieta e, agora, a Caminhada do Santuário reúnem história, belezas naturais e desafios humanos.

CF. Lima é jornalista

[email protected]

 

Comentários