Menu

sexta, 18 de janeiro de 2019

Aqui Rubens Pontes: Meu poema de sábado – Itabira, de Humberto del Maestro

 

“Fotogarfada” de uma postagem de Valerio Depollo.

 

A coluna se expressa sobre o intelectual capixaba Humberto del Maestro com o texto abaixo reproduzido.

Versátil, um multi-midia no campo da literatura, nos faz evocar outro brilhante jornalista e escritor, Marien Calixte, quando incursiona na instigante criação de haicais.

Para este primeiro sábado de 2019, o Portal Don Oleari, a Rádio Clube da Boa Música e o programa Sociedade dos Poetas Vivos homenageiam a plêiade dos poetas capixabas com a publicação de um dos belos poemas de Humberto del Maestro.

Nascido em Vitória, Espírito Santo, no dia 27 de março de 1938, Humberto Del Maestro (foto) é poeta, teatrólogo, ator, bancário aposentado, intelectual, pensador, produtor cultural, cronista, ensaísta, contista, trovador, crítico literário.

É autor de inúmeros livros: “Poesias modernas,” “O tesouro,” “O sonho dos séculos,” “Poesias,” “Contos impossíveis …?” “Aloendros”, “Sonhos e Canções e Breves”, “Trovas, Haicais e outros poemas”, “Dísticos” e tantos outros já publicados, além de participar de algumas dezenas de antologias espalhadas pelo Brasil.

É Membro da Academia Espírito-santense de Letras e do Instituto Histórico e Geográfico do Espírito Santo, associado do Postal Clube, do Rio de Janeiro, e colaborador efetivo da revista alternativa A FIGUEIRA, de Florianópolis – SC.

Detentor de vários prêmios, entre outros, Melhor Poeta Nacional de 1997, Embaixador da Poesia do Brasil 2000. É verbete da ENCICLOPÉDIA DE LITERATURA BRASILEIRA, de Afrânio Coutinhoe J. Galante de Sousa, edição do MEC, 1990, com revisão de Graça Coutinho e RitaMoutinho Botelho, edição revista e atualizada em 2001.

No estado do Espírito Santo, mais precisamente no município de Cachoeiro de Itapemirim, existe um cartão postal para quem chega.

Da esquerda para a direita: Humberto Del Maestro-ES; Arlindo Nóbrega-SP; e Agostinho Rodrigues-RJ.

Trata-se do Itabira, um monolito de beleza invulgar que, na versão do renomado tupinólogo Samuel Duarte, quer dizer “Pênis de Pedra”. Deixo a foto de “A Gazeta” para que possam tirar suas conclusões.

Levei anos para tomar coragem de escrever algo sobre ele e, no final, consegui este soneto, que falará por si só (Rubens Pontes, de Capim Branco, MG).

ITABIRA

Humberto del Maestro

Erecto, sob o púbis da colina,
exibe altivo o excesso de vigor
pela manhã, à noite e no rubor
da tarde voluptuosa que declina.
Granítica figura, tem por sina
vencer o tempo, as águas e o calor.
E qual um deus pagão, em rico andor,
da base ao topo a vastidão domina.
Orgulho-me de ti, rude Itabira
(denso bastão no cio que delira
de luxúria, num hábito griséu),
porque entre nuvens, qual tensor jucundo,
não te intimidas de mostrar ao mundo
o imenso falo a deflorar o céu.

Rubens Pontes, jornalista,

radialista, escritor

Linki pra ler Passos, Saltos & Quedas, de Rubens Pontes.
http://online.anyflip.com/mitk/xjqj/mobile/index.html?fbclid=IwAR39mt-wlzHGKBAeTSG7cZOD4etEr38ocVyHkE-rPKkwvhpfI8qfvf7khLE#p=10

 

Comentários