Menu

segunda, 20 de maio de 2019

Aqui Rubens Pontes: Meu poema de sábado – Virginia Wolf: a carta de despedida, poema, e treiler do filme The Hours

 

 

O Departamento de Pesquisa do Portal Do Oleari elencou nomes de intelectuais, poetas e romancistas, de várias partes do Mundo, que tiveram uma identidade comum e trágica. Todos eles praticaram suicídio.

Maria Tsvetava (direitaa), poeta russa nascida em 1892, definiu seu destino quando escreveu:
– “Há algo que eu não soube fazer: viver”.
E se enforcou.

Certamente a mais popular e mais cultuada figura do cânone dos poetas suicidas, vencedora do Prêmio Pulitzer, em 1982, Sylvia Plath, abriu o gás no fogão de sua cozinha e colocou a cabeça no forno para morrer.

Anne Sexton (direita) foi outra poeta dessa trágica galeria. Depois de várias tentativas de suicídio frustradas, em outubro de 1974, vestiu o casaco de sua mãe, ingeriu várias doses de vodka, entrou na garagem de sua casa, fechou-se num carro, ligou o rádio e a ignição até morrer por intoxicação de monóxido de carbono.

O Brasil não se isentou. A carioca Ana Cristina César (abaixo, esqeurda), nascida em 1952, pôs fim à vida em 1983 jogando-se da varanda do seu apartamento em Copacabana. e em Tradução pela Universidade de Essex.

Era poeta e tradutora, com Licenciatura em Letras, mestre em Comunicação

Floberla Espanca (direita), apontada por Sociedade dos Poetas Vivos como mais importante nome feminino da poesia em língua portuguesa, conseguiu seu intento de matar-se depois de três tentativas frustradas, no dia do seu aniversário, em 1930, por overdose de barbitúricos.

A relação dos suicidas assusta. Entre eles, Hart Crane, Cesare Pavese,

Romain Gary, Ernest Hemingway (à esquerda – um dos mais consagrados ficcionistas do Século XX, apoiou o cano de uma carabina sob o queixo e acionou o gatilho com o pé).

Jack London, Silvia Plath, William Inge, Stefan Zweig (à direita – matou-se em pacto com sua mulher, ingerindo veneno na cidade de Petrópolis).

Mas a relação de nomes levantado pelo pessoal da área de pesquisa do Portal vai além, enumerando os nomes de Vladimir Maiakovski (direita), Camilo Castelo Branco, Antero de Quental, Mário de Sá Carneiro, Luiz de Montalvan, Manuel Laranjeira e Trindade Coelho.

Aos 59 anos de idade, Virginia Woolf (esquerda) encheu os bolsos de sua roupa com pedras e se atirou no rio Ouse, morrendo afogada.

E mais:
Pedro Nava (direita), aos 80 anos, com um tiro na cabeça, e Yukio Kishima, o maior expoente da literatura japonesa, praticando seppuku (haraquiri). Seu amante, também poeta Morita, acompanhou o gesto praticando o ritual quase sagrado dos samurais.

É penoso constatar, segundo dados da Organização Mundial de Saúde, que nos últimos 45 anos a taxa de mortalidade por suicídio aumentou 60 por cento, em todo o mundo.

O Espírito Santo, certamente até por força de sua toponímia, não se inclui nessa relação. Não há registro de suicídio entre os cronistas, ficcionistas e poetas dessa nossa abençoada terra capixaba.

Sociedade dos Poetas Vivos presta sua homenagem aos que mudaram de plano formando novas constelações de estrelas no infinito do Universo, e que assim continuam presentes em corações e mentes pela eternidade.

Afinal, como escreveu Guimarães Rosa, “o mundo é mágico. As pessoas não morrem. Ficam encantadas.”

O Portal Don Oleari, que a todos abriga, a Radio Clube da Boa Música e esta Coluna, solidariamente com a Sociedade dos Poetas Vivos, reverenciam sem nunca condenar todos aqueles que romperam por si seus vínculos com o milagre da vida proporcionada pelo Criador, e que,no tumulto de emoções tão presentes entre os incontroláveis sonhadores, foram buscar no desconhecido um recomeço para o espaço que decidiram interromper.

A escolha do poema para este sábado foi unânime:

Por todos,
Rubens Pontes
Capim Branco, MG.

 

VIRGINIA WOOLF

A carta da Desesperança

Antes de se matar por afogamento, seu estado de desesperança está expresso na carta endereçada ao marido:

“Meu Muito Querido:

Tenho a certeza de que estou novamente enlouquecendo: sinto que não posso suportar outro desses terríveis períodos. E desta vez não me restabelecerei. Estou começando a ouvir vozes e não consigo me concentrar. Por isso vou fazer o que me parece ser o melhor.
Deste-me a maior felicidade possível. Fostes em todos os sentidos tudo o que qualquer pessoa podia ser. Não creio que duas pessoas pudessem ter sido mais felizes até surgir esta terrível doença. Não consigo lutar mais contra ela, sei que estou destruindo a tua vida, que sem mim poderias trabalhar. E trabalharás, eu sei. Como vês, nem isto consigo escrever como deve ser. Não consigo ler.
O que quero dizer é que te devo toda a felicidade da minha vida. Fostes inteiramente paciente comigo e incrivelmente bom.
Quero dizer isso — toda a gente o sabe. Se alguém me pudesse ter salvo, esse alguém terias sido tu. Perdi tudo menos a certeza da tua bondade. Não posso continuar a estragar a tua vida.
Não creio que duas pessoas pudessem ter sido mais felizes do que nós fomos.
V.”

Virginia Wolf

Eu deixei a pia luz dentro de minha pele só assim eu posso respirar de novo
Equilibrar o peso entre assustador e obsessivo
O mundo do seu peso nas minhas costas, para trás, aguarde
Palavras me apoiar de uma forma, eu preciso ser aceito
Tudo é relativo, o mundo está cheio de esqueletos
Dançando ao ritmo de fingir que eles estão vivos
Mas eu não tenho um osso a escolher, especialmente quando eles estão falidos e bateu
O engraçado, é complicado de se perguntar por que eles tentam
Um quinto na minha mão direita, quartos em minha esquerda
Até minha meia-vida é um buraco dentro do meu peito
Se eu sentar e ouvir com essa dicção indivíduo
É indiscriminado ou apenas um sintoma da doença?
Ou uma metáfora da mudança?
Para quebrar um dólar, as pessoas escrevem suas cartas para uma cadeia
Eu prefiro escrever uma carta em cadeia, é melhor para a dor
E as pessoas na minha vida que sempre disse que eu era louco
Eu vou jogar uma corda em torno do sol e ser o pêndulo
Tic-tac, tic-tac, eu vou esperar até que os médicos vêm
Eu vou ser tão alta e tão brilhante que se você me quer de volta
Você vai ter que sentar e ver o pôr do sol
Traga o meu corpo para o chão
Antes de se respirar um pouco eles vão estar chamando-o de profunda
Martírio por causa da beleza, decora a paisagem
Como as mãos de todo mundo tremer de qualidade que eles encontraram
Isto é o que ela gostaria de provar os Céus e destituir a graça
Outro ano, outra expressão falso em um porta-retrato
Outro desejo do aniversário e ainda não mudou
Uma volta ao redor do sol nunca me levou para um lugar diferente
Mas eu tenho que manter flutuante
Até eu encontrar Virginia Woolf preso em pele de cordeiro
Eu poderia ser as pedras nos bolsos quando andamos em
Para o oceano e se maravilhar com a costa até afundar
E, como os pulmões cheios de água
Ela observou o derramamento de sol através dela
Até a lama encheu sua armadura
Conchas do mar escrito “Nosso amor ainda vai conquistar”
Não, bolhas subiu à superfície
Ancorado para baixo, onde as pedras ea sujeira viver
Prove o fundamento de que ela escolheu para submergir em
“Oh, Vir-gin-ia Woolf, não ser ner-vous”
(Não) Com toda a medicina, sua cabeça você tem impulsionado disse-lhe para ir
E siga tristeza, deixado para morrer em vez estou cavando até os ossos
Eles estão todos intactos e configurar quando eu chegar a dar-lhes toda a casa de um
Um artefato que é enviado do céu, eu tenho que visitar em meu próprio
Estou sozinho agora no go-round
Isso quebrou lento quando eu puxei a minha alma
Para ESGOTADO-shows cheios de fantasmas de velhas dúvidas
E esperanças profundas que eu não controlam agora
Eu sei, alguém venha e me liberte
Do mar de uma tristeza sem ser detectado
Algumas coisas que você ama não são destinadas a ser
BleedingHearts ficar sem sangue eventualmente
Assim, podemos chamá-la de minha expiação
Uma mensagem em uma garrafa que eu queria que você abrir
É um poema, uma devoção triste
Que eu deixei para você no fundo do oceano.

Veja o treiler do filme “The Hours” com Nikole Kidman, Merryl Streep e Juliane Moore.

 

Comentários