Menu

segunda, 20 de maio de 2019

Aqui Wilson Coêlho: Solidários de Paris – Fernando Arrabal (Tradução de Wilson Coêlho)

Foto enviada por Fernando Arrabal para o escritor Wilson Coêlho.

 

 

O incêndio da Catedral de Notre-Dame de Paris é uma catástrofe para a cultura europeia. Parisienses e turistas testemunharam a queda do ponto mais alto da catedral.

As chamas arrasaram 850 anos de história, de arquitetura, de pintura, de escultura.

Dentre as diversas personalidades do mundo que se manifestaram diante da catástrofe, Fernando Arrabal demonstra sua solidariedade através da poesia.

SOLIDÁRIOS DE PARIS –

Fernando Arrabal (Tradução de Wilson Coêlho)

Mesmo calada sempre me encantou

Herdeira da vida

Com poesia contemplativa

Fazendo tudo lentamente

Lentamente com seus ritos,

Lentamente com seus cultos

Lentamente exortando

Cada passo e cada pouso

Dando tempo ao tempo

Em sua arcana confusão

“Que brando com as espigas”

Que essência da existência

Que casta para castelos

Que magia para o imaginário

Desprovida de pecados

Das vilezas nenhuma

Venha Tomás e veja

A quintessência é a causa

Se esta renúncia é a sombra

Como deslumbra sua luz

Que história para a História

Para um franco dramaturgo

Para um arrabal de poesia

Para um faubourg de meu alfoz

Com o drama da dama

Quando se mostra tão nossa

‘Notre dame’ catedral.

Acima à direita, foto de Fernando Arrabal e Wilson Côelho em Salvador. Abaixo, uma colagem de Fernando Arrabal.

OBS: Preferi não traduzir faubourg e alfoz por serem termos antigos e que, propositalmente Arrabal os utiliza como metáfora também à antiguidade da Catedral.

Faubourg é um termo arcaico francês que significa aproximadamente “subúrbio” (hoje em dia geralmente denominado banlieue). A sua forma mais primitiva é Forsbourg, derivado do latim foris, ‘fora de’, e da vulgata (originalmente germânica) burgum, ‘cidade’ ou ‘fortaleza’.

Alfoz era a designação dada ao termo de um concelho, ou seja os arredores de uma vila, ou mais especificamente aos povoados que aí se encontravam e eram habitados pelas classes mais baixas.

Professor Dr. Wilson Coêlho
Poeta, tradutor, palestrante, dramaturgo e escritor com 17 livros publicados. Licenciado e bacharel em Filosofia e Mestre em Estudos Literários pela UFES (Universidade Federal do ES); Doutor em Literatura pela Universidade Federal Fluminense e Auditor Real do Collége de Pataphysique de Paris.

Tem 22 espetáculos montados com o Grupo Tarahumaras de Teatro, com participação em festivais e seminários de teatro no país e no exterior – Espanha, Chile, Argentina, França e Cuba, ministrando palestras e oficinas. Também tem participado como jurado em concursos literários e festivais de música.
http://wilsoncoelho.blogspot.com/

Comentários