Menu

sexta, 15 de novembro de 2019

Aqui Rubens Pontes: Meu poema de sábado – Cristo me inquieta, de Renata Bonfim

 

DE JUNG A FLOBERLA ESPANCA – ROTEIRO DE UMA MULTIMÍDIA CAPIXABA

+ Doutora e Mestre em Saúde Pública pela UFMG – Universidade Federal de Minas Gerais;

+ Graduada em Fonoaudiologia pelo Centro Universitário Metodista Isabela Hendrix, Belo Horizonte;

* Graduada em Artes Plásticas pela UFES – Universidade Federal do Espírito Santo, especialista em mosaicos, vitrais e tecelagem;

+ Mestre e Doutoranda em Letras pela UFES;

+ Especializada em Psicologia Analítica Junguiana;

+ Arteterapia na Saúde e na Educação e em Pisicosomática

+ Membro do Grupo de Pesquisa do CNPq – Floberla Espanca Et ali.

Esta coluna, pelo que se propõe, aborda outra face da cultura de uma também sensível poeta,

multi-mídia da inteligência capixaba, com vários livros publicados, sobre vários temas, um deles, de poemas,

editado também em Portugal.

Renata Bonfim, nascida em Vitória, no ano de 1972, é na verdade uma pesquisadora nata que mergulha fundo nos temas que possam interessar sua sede de saber.

É assim também que sua extrema sensibilidade abre parêntesis no seu trabalho para fazer da poesia (e também aí ela se destaca) , instrumento para , como os anjos, alçar vôos além do infinito, e ao mesmo tempo levando suas criações literárias a tornar seu nome reconhecido e admirado nos meios intelectuais além das nossas fronteiras, como exemplo, convidada a participar de conclaves internacionais, como o X Festival de Poesia de Granada, na Nicarágua.

Renata Bonfim é membro do Instituto Histórico e Geográfico do Espírito Santo, também ocupante de uma cadeira na Academia de Letras de São Mateus e da Academia Espírito-santense de Letras.

É de Renata (Oliveira) Bonfim, sobre quem muito mais se poderia falar, o poema selecionado para compor esta coluna, neste sábado de agosto.

Rubens Pontes
Capim Branco, MG

Linki pra ler Passos, Saltos & Quedas, de Rubens Pontes.
http://online.anyflip.com/mitk/xjqj/mobile/index.html?fbclid=IwAR39mt-wlzHGKBAeTSG7cZOD4etEr38ocVyHkE-rPKkwvhpfI8qfvf7khLE#p=10

CRISTO ME INQUIETA (Renata Bonfim)

Cristo me inquieta!

A sua luminosidade me invade,

O seu amor me desperta.

Sinto vibrar as cordas do Universo:

Em cada olhar de criança,

Na música,

Em cada poema. 

Há ‘aleluias’ nas mãos que buscam

repetir os seus gestos:

Mãos que curam,

Protegem,

Libertam,

Que resistem à falsa órdem.

A sua voz ressoa nas bocas que

Dizem “não” às injustiças,

Que militam pela humanidade,

Falando por aqueles que não podem.

Bem como, nas bocas daqueles que

 se comprometem com a complexidade

 Das variadas verdades que existem.

─ Bem-aventurados aqueles

que plantam esperança,

Pois eles beberão

 do vinho o contentamento e

comerão o pão da bonança.
─ Igualmente bem-aventurados
aqueles, cujas bocas cheias de amor,
beijam, e cujos corpos, vivificados pelo desejo,
amam como quem apascenta rebanhos.

As suas taças, de cristal e ágata,

jamais se esvaziarão!

Cristo me inquieta!

Suas palavras fazem sentido

dentro das minhas células.
Eis a minha prece:
─ Amado, eu não sou fora de ti,
Vivo e morro por ti,
Com maior volúpia e paixão
que os amantes mais febrís!

Vejo, pelos olhos do Cristo,
Erguer-se em busca de sol,

Por entre os espinheiros da descrença,

Frágeis plantas que serão,

Um dia, árvores de harmonia e de resiliência.

Alimento tudo o que quer crescer!

Vejo também os animais livres:

Os pássaros cantando felizes,

Cães, gatos  bois, coelhos,
carneiros, onças, peixes, perdizes…
Tudo  o que vive celebra
O fim da era de sangue e violência.

Vejo os homens, com amor,
Semeando a terra que, agradecida,

Oferta a si mesma
por meio dos elementos/alimentos

que a representam.

Não sei bem explicar como é isso,

Mas estou certa de que é o Cristo,

É ele! A Letra Bendita que
escreveu o mundo.
É ele! Comandando ritos,

Despertando no meu abissal
mitos antigos.

Estou pronta para o Juízo,

Que não é o Final, mas,

prelúdio, promessa, (re)início.

Observo a tudo isso sem medo:
Assombro e deslumbramento.

Compreendo que

Não existe morte e nem vida isolados,

Existem apenas momentos:
Em alguns morremos,
Noutros vivemos,

Tudo em fluxos (des)contínuos.
A semente de Deus está em nós,
Prenhe de eternidade,
Buscando metamorfoses
Ad infinitum

Renata Bomfim

http://www.letraefel.com/search?q=cristo+me+inquieta

Comentários