Menu

sbado, 31 de outubro de 2020

Xi Jinping: Documento indica que presidente da China sabia da epidemia desde 7 de janeiro. Ele só se dirigiu à nação em 20 de janeiro

Atualizado às 18 horas de 17 de março de 2020

 

Presidente chinês Xi Jinping usa máscara cirúrgica para se prevenir da covid-19

Wanderley Preite Sobrinho

Do UOL, em São Paulo

17/2/2020 – Atualizado às 18 horas de 17 de março de 2020

O Partido Comunista chinês divulgou documento para mostrar que Xi Jinping tomou a frente da luta contra o coronavírus.
Mas o documento indica que o presidente da China sabia da epidemia desde 7 de janeiro
Ele só se dirigiu à nação em 20 de janeiro.

Revelação deixa a dúvida: a China demorou para agir?

Um documento divulgado pelo Partido Comunista da China indica que o presidente chinês, Xi Jinping, escondeu por duas semanas as infecções pelo novo coronavírus, causador da covid-19.

Xi Jinping falou pela primeira vez publicamente sobre o assunto em um discurso à nação no dia 20 de janeiro, sete dias antes de Zhou Xianwang, então prefeito de Wuhan (epicentro da epidemia), renunciar ao admitir ter escondido informações sobre o surto, que já deixou quase 1.800 mortos e 70 mil infectados na China.

RELACIONADAS

Cai para três número de casos suspeitos de coronavírus no Brasil

Anvisa descarta contaminação em navio que chega a Santos na 2ª

Coronavírus: 14 americanos evacuados de navio estão infectados

Embora o governo central tenha responsabilizado autoridades locais pela crise, o texto distribuído pelo Partido Comunista no último sábado (15 de março) revela que Xi Jinping já sabia sobre o novo coronavírus 13 dias antes de seu discurso.

A intenção do partido em divulgar a transcrição de um discurso interno do mandatário era demonstrar que ele cuidava pessoalmente das ações contra a epidemia.

Mas o mundo, no entanto, se surpreendeu com a informação de que Xi Jinping conhecia os perigos da doença já em 7 de janeiro, mas permaneceu em silêncio por duas semanas.

– “A revelação levanta questões sobre se foi o governo central, e não as autoridades de Hubei, que hesitaram em agir, permitindo que o vírus se espalhasse pelo país e, eventualmente, pelo mundo”, avalia o colunista James Griffiths, da rede americana CNN.

A transcrição do discurso, publicado pelo Qiushi, jornal oficial do Partido Comunista, informa que Xi Jinping “emitiu requisitos para a prevenção e controle do novo coronavírus” durante uma reunião do Comitê Permanente do Politburo, o mais poderoso órgão decisório da China, em 7 de janeiro.

Descoberta grave

Na cidade de Wuhan, a vida foi paralisada pela quarentena obrigatória da população – Getty Images

A descoberta é grave porque o período de 13 dias, entre 7 e 20 de janeiro, foi crucial para a província de Hubei e sua capital, Wuhan, que pareciam menosprezar o surto.

Wang Guangfa, chefe da equipe enviada por Pequim para investigar a situação, disse em 11 de janeiro que o surto estava sob controle.

Nesse intervalo de tempo, as autoridades organizaram quatro grandes reuniões do partido entre 6 e 17 de janeiro: duas em Hubei e outras duas em Wuhan, uma delas no teatro da cidade, a 5,8 quilômetros da feira de pescados de onde, acredita-se, o vírus se espalhou.

Wuhan também ofereceu um tradicional banquete para 40 mil famílias um dia antes do discurso oficial do presidente chinês. Foi quando ele pediu explicitamente que a província de Hubei controlasse a entrada e a saída de pessoas, iniciando seu confinamento.

Wu Qiang, analista político de Pequim especializado na análise dos discursos do presidente, descreveu o documento publicado como “sem precedentes” durante uma entrevista ao South China Morning Post.

– “Parece que ele está defendendo e explicando como ele fez tudo em sua capacidade de liderar a prevenção de epidemias.”

Wu acredita que as crescentes críticas ao fracasso em conter o coronavírus obrigou Xi Jinping a enfrentar a difícil decisão de admitir que ignorou por 20 dias a natureza da crise ou dizer que estava ciente e envolvido na resposta.

O episódio revela a dificuldade em manter intacta a imagem do presidente, tratado pela mídia estatal como um governante que supervisiona e está ciente de tudo o que acontece na China.

Ao centro, Xi Jinping é aplaudido em um centro de tratamento e diagnóstico em um hospital de Pequim

China escondeu Sars por 4 meses

Xi Jinping demorou 13 dias para discursar publicamente sobre o surto, período bem menor que o país levou para alertar sobre a Sars (Síndrome Respiratória Aguda Grave) em 2003.

Na época, o governo chinês foi acusado de encobrir o surto do Sars durante quatro meses. O vírus, que também saiu de um mercado público na província de Guangdong, matou ao menos 774 e chegou a 30 países.

A suposta transparência em relação ao covid-19, no entanto, convenceu a OMS (Organização Mundial da Saúde).

Um de seus diretores, Tedros Adhanom Ghebreyesus, falou em “seriedade com que a China está enfrentando esse surto” e agradeceu a Pequim por sua “transparência”.

Até o presidente americano, Donald Trump, em guerra comercial contra os chineses, depositou um voto de confiança.

– “Acho que eles têm lidado com isso profissionalmente, e acho que são extremamente capazes”, disse ele em um podcast transmitido pela iHeart Radio.

Questionado sobre a veracidade das informações prestadas pela China sobre o vírus, Trump disse:

– “Você nunca sabe. Acho que eles querem passar a melhor impressão possível.”

Onde há casos confirmados de coronavírus:

Albânia
Alemanha
Andorra
Antígua e Barbuda
Argentina
Argélia
Armênia
Aruba
Arábia Saudita
Austrália
Azerbaijão
Bahamas
Bahrein
Bangladesh
Belarus
Bolívia
Brasil
Brunei
Bulgária
Burkina Faso
Butão
Bélgica
Bósnia e Herzegovina
Camboja
Cameroun
Canadá
Catar
Cazaquistão
Chile
China
Chipre
Colômbia
Congo
Coreia do Norte
Coreia do Sul
Costa do Marfim
Costa Rica
Croácia
Cuba
Dinamarca
Egito
Emirados Árabes Unidos
Equador
Eslováquia
Eslovênia
Espanha
Estados Unidos
Estônia
Etiópia
Filipinas
Finlândia
França
Gabão
Gana
Geórgia
Gibraltar
Groenlândia
Grécia
Guam
Guatemala
Guernsey
Guiana
Guiana Francesa
Guiné
Holanda
Honduras
Hungria
Ilha da Reunião
Ilhas Cayman
Ilhas Faroé
Indonésia
Iraque
Irlanda
Irã
Islândia
Israel
Itália
Jamaica
Japão
Jersey
Jordânia
Kosovo
Kuwait
Letônia
Libéria
Liechtenstein
Lituânia
Luxemburgo
Líbano
Macedônia do Norte
Maldivas
Malta
Malásia
Marrocos
Martinica
Mauritânia
Moldávia
Mongólia
México
Mônaco
Namíbia
Nepal
Nigéria
Noruega
Nova Zelândia
Omã
Palestina
Panamá
Paquistão
Paraguai
Peru
Polinésia Francesa
Polônia
Portugal
Reino Unido
República Centro-Africana
República Democrática do Congo
República Dominicana
República Tcheca
Romênia
Ruanda
Rússia
San Marino
Santa Lúcia
Senegal
Seychelles
Singapura
Somália
Sri Lanka
Sudão
Suécia
Suíça
São Bartolomeu
São Martinho
São Vicente e Granadinas
Sérvia
Tailândia
Taiwan
Tanzânia
Togo
Tunísia
Turquia
Ucrânia
Uruguay
Vaticano
Vietnã
África do Sul
Áustria
Índia
Afeganistão

Atualizado às 18 horas de 17 de março

Comentários