Menu

domingo, 07 de maro de 2021

Aqui Rubens Pontes: Meus poemas de sábado – A Montanha que Escalamos / The Hill We Climb, de Amanda Gorman

Reproduzo o material assinado por Carlie Portfield, da Forbes, enquando sigo pesquisando poetas do Espírito Santo para cumprir a pauta traçada para esta temporada da coluna (Rubens Pontes).

– “Nós, os sucessores de um país e de uma época
Onde uma garota negra magra,
descendente de escravos e criada por uma mãe solteira
pode sonhar em se tornar presidente
apenas para se descobrir recitando para um”…

Getty Images  – só a foto da poeta Amanda Gorman, à direita).

Poema de Amanda Gorman foi inspirado nos motins do Capitólio.

Carlie Porterfield
20 de janeiro de 2021 Forbes Mulher

(crédito: Patrick Semansky/AFP)

Um dos momentos de destaque da posse do novo presidente norte-americano Joe Biden hoje (20) foi quando Amanda Gorman, de 22 anos, a poetisa mais jovem a declamar em uma cerimônia de posse presidencial, apresentou sua obra “The Hill We Climb” (A Montanha que Escalamos, na tradução literal).

Ela se inspirou em parte nos tumultos no Capitólio, centro legislativo do país, que abalaram o país no início de janeiro.

Foto: Jim Lo Scalzo/Pool/AFP

Sua performance foi amplamente elogiada como um dos principais momentos da posse de Biden. A jovem foi exaltada por legisladores, artistas e até mesmo um de seus ex-professores por capturar o espírito do momento da história norte-americana.

No poema, Amanda descreveu os EUA como “uma nação que não está quebrada, mas simplesmente inacabada“, e lembrou aos cidadãos que “embora tenhamos nossos olhos no futuro, a história está de olho em nós”.

Antes da cerimônia, a jovem poetisa disse ao “The New York Times” que começou a trabalhar no poema no final de dezembro, após ter sido escolhida pela primeira-dama dos Estados Unidos, Jill Biden, que a viu fazendo uma declamação na Biblioteca do Congresso.

No entanto, até 6 de janeiro, Amanda enfrentava dificuldades para concluir o poema, quando partidários do ex-presidente Donald Trump fizeram protestos no Capitólio, em uma tentativa de impedir a eleição do presidente Joe Biden, certificada pelo Congresso, durante um ato violento que deixou cinco mortos.

Amanda disse ao jornal que os eventos daquele dia inspiraram algumas das linhas finais do poema:

– “Vimos uma força que destruiria nossa nação em vez de compartilhá-la, destruiria nosso país se isso significasse atrasar a democracia. E esse esforço quase deu certo. Embora a democracia possa ser periodicamente adiada, ela nunca pode ser derrotada permanentemente.”

Fato curioso
Amanda tinha seus olhos voltados para a Casa Branca antes mesmo de ser convidada a ler um poema na cerimônia de posse de Biden: em 2017, a jovem disse ao “New York Times” que esperava se candidatar à presidência em 2036.

Cenário
Natural de Los Angeles, Califórnia, Amanda se formou na Universidade de Harvard no ano passado em Sociologia. Ela foi nomeada a primeira jovem poetisa laureada do país em 2017, quando tinha apenas 16 anos.

Segundo a editora Penguin Random House, em setembro será lançado um livro de imagens líricas baseado em “The Hill We Climb”.

Veja, a seguir, a tradução do poema escrito por Amanda Gorman e proclamado por ela durante a cerimônia de posse de Joe Biden:

A Montanha que Escalamos / The Hill We Climb

Amanda Gorman

Quando chega o dia, nos perguntamos,
onde podemos encontrar luz nesta sombra sem fim?
A perda que carregamos,
um mar que devemos navegar
Nós enfrentamos a barriga da besta
Aprendemos que o silêncio nem sempre é paz
E as normas e noções
do que é justo
Nem sempre é justiça
E, ainda assim, o amanhecer é nosso
antes de sabermos disso
De alguma forma nós fazemos isso
De alguma forma, nós resistimos e testemunhamos
uma nação que não está quebrada
mas simplesmente inacabada
Nós, os sucessores de um país e de uma época
Onde uma garota negra magra,
descendente de escravos e criada por uma mãe solteira
pode sonhar em se tornar presidente
apenas para se descobrir recitando para um
E sim, estamos longe de ser polidos
longe de sermos intocados
mas isso não significa que estamos
nos esforçando para formar uma união perfeita
Estamos nos esforçando para formar uma união com um propósito
Para compor um país comprometido com todas as culturas, cores, personagens e
condições do homem
E, então, levantamos nossos olhares não para o que está entre nós
mas para o que está diante de nós
Fechamos a divisão porque sabemos que, para colocar nosso futuro em primeiro lugar,
devemos primeiro colocar nossas diferenças de lado
Abaixamos nossas armas
para que possamos estender nossos braços
uns para os outros
Não queremos o mal a ninguém e queremos a harmonia para todos
Deixe o mundo se disserem que isso não é verdade:
Que mesmo enquanto sofríamos, crescíamos
Que mesmo sofrendo, esperávamos
Que mesmo cansados, tentávamos
Que estaremos para sempre ligados, vitoriosos
Não porque nunca mais conheceremos a derrota
mas porque nunca mais semearemos a separação
A Escritura nos diz para imaginar
que todos se sentarão sob sua própria videira e figueira
E ninguém os assustará
Se quisermos viver de acordo com nosso próprio tempo
Então a vitória não estará na lâmina
Mas em todas as pontes que fizemos
Essa é a promessa da clareira
A montanha que escalamos
Se apenas ousássemos
É porque ser americano é mais do que um orgulho que herdamos,
é um passado em que entramos
e como consertamos
Vimos uma força que destruiria nossa nação
em vez de compartilhá-la
Iria destruir nosso país se isso significasse atrasar a democracia
E esse esforço quase teve sucesso
Mas, embora a democracia possa ser periodicamente adiada
Ela nunca poderá ser permanentemente anulada
Nesta verdade
nesta fé nós confiamos
Enquanto temos nossos olhos no futuro
a história tem seus olhos em nós
Esta é a era da redenção justa
Temíamos desde o início
Não nos sentíamos preparados para ser os herdeiros
de um momento tão aterrorizante
mas dentro dele encontramos o poder
para escrever um novo capítulo
Para oferecer esperança e alegria a nós mesmos
Então, embora tivéssemos nos perguntado
como poderíamos prevalecer diante da catástrofe?
Agora nós afirmamos
Como a catástrofe poderia prevalecer sobre nós?
Não marcharemos de volta para o que era
mas nos moveremos para o que será
Um país ferido, mas inteiro
benevolente, mas ousado
feroz e livre
Não seremos desviados
ou interrompidos por intimidação
porque sabemos que nossa inação e inércia
serão a herança da próxima geração
Nossos erros tornam-se seus fardos
Mas uma coisa é certa:
Se fundirmos misericórdia com força
e força com direito,
então o amor se torna nosso legado
e muda o direito de nascença de nossos filhos
Então, vamos deixar para trás um país
melhor do que aquele no qual fomos deixados
Cada respiração do meu peito de bronze
nós transformaremos este mundo ferido a maravilhoso
Nós nos ergueremos das colinas com ramos dourados do oeste,
nos ergueremos do nordeste varrido pelo vento
onde nossos antepassados realizaram a revolução
Vamos nos erguer das cidades rodeadas por lagos dos estados do meio-oeste
Nós nos levantaremos do sul queimado de sol
Nós reconstruiremos, reconciliaremos e recuperaremos
e cada canto conhecido de nossa nação e
e cada canto chamado de nosso país,
nosso povo diverso e belo surgirá,
danificado e belo
Quando chega o dia, saímos da sombra,
em chamas e sem medo
O novo amanhecer floresce à medida que o libertamos
Pois sempre há luz,
se apenas formos corajosos o suficiente para ver isso
Se apenas formos corajosos o suficiente para sermos isso

Rubens Pontes, jornalista,

De Capim Branco, MG

Fonte: https://forbes.com.br/forbes-mulher/2021/01/poema-inaugural-de-amanda-gorman-foi-inspirado-nos-motins-do-capitolio/

Veja, a seguir, a versão original, em inglês e o vídeo da poeta recitando na posse do presidente dos EUA.:

When day comes we ask ourselves,
where can we find light in this never-ending shade?
The loss we carry,
a sea we must wade
We’ve braved the belly of the beast
We’ve learned that quiet isn’t always peace
And the norms and notions
of what just is
Isn’t always just-ice
And yet the dawn is ours
before we knew it
Somehow we do it
Somehow we’ve weathered and witnessed
a nation that isn’t broken
but simply unfinished
We the successors of a country and a time
Where a skinny Black girl
descended from slaves and raised by a single mother
can dream of becoming president
only to find herself reciting for one
And yes we are far from polished
far from pristine
but that doesn’t mean we are
striving to form a union that is perfect
We are striving to forge a union with purpose
To compose a country committed to all cultures, colors, characters and
conditions of man
And so we lift our gazes not to what stands between us
but what stands before us
We close the divide because we know, to put our future first,
we must first put our differences aside
We lay down our arms
so we can reach out our arms
to one another
We seek harm to none and harmony for all
Let the globe, if nothing else, say this is true:
That even as we grieved, we grew
That even as we hurt, we hoped
That even as we tired, we tried
That we’ll forever be tied together, victorious
Not because we will never again know defeat
but because we will never again sow division
Scripture tells us to envision
that everyone shall sit under their own vine and fig tree
And no one shall make them afraid
If we’re to live up to our own time
Then victory won’t lie in the blade
But in all the bridges we’ve made
That is the promise to glade
The hill we climb
If only we dare
It’s because being American is more than a pride we inherit,
it’s the past we step into
and how we repair it
We’ve seen a force that would shatter our nation
rather than share it
Would destroy our country if it meant delaying democracy
And this effort very nearly succeeded
But while democracy can be periodically delayed
it can never be permanently defeated
In this truth
in this faith we trust
For while we have our eyes on the future
history has its eyes on us
This is the era of just redemption
We feared at its inception
We did not feel prepared to be the heirs
of such a terrifying hour
but within it we found the power
to author a new chapter
To offer hope and laughter to ourselves
So while once we asked,
how could we possibly prevail over catastrophe?
Now we assert
How could catastrophe possibly prevail over us?
We will not march back to what was
but move to what shall be
A country that is bruised but whole,
benevolent but bold,
fierce and free
We will not be turned around
or interrupted by intimidation
because we know our inaction and inertia
will be the inheritance of the next generation
Our blunders become their burdens
But one thing is certain:
If we merge mercy with might,
and might with right,
then love becomes our legacy
and change our children’s birthright
So let us leave behind a country
better than the one we were left with
Every breath from my bronze-pounded chest,
we will raise this wounded world into a wondrous one
We will rise from the gold-limbed hills of the west,
we will rise from the windswept northeast
where our forefathers first realized revolution
We will rise from the lake-rimmed cities of the midwestern states,
we will rise from the sunbaked south
We will rebuild, reconcile and recover
and every known nook of our nation and
every corner called our country,
our people diverse and beautiful will emerge,
battered and beautiful
When day comes we step out of the shade,
aflame and unafraid
The new dawn blooms as we free it
For there is always light,
if only we’re brave enough to see it
If only we’re brave enough to be itac

 

Comentários