Rádio CLUBE DA BOA MÚSICA

Rádio CBM: Classe A, de A a Z

Rodrigo Mello Rego: As Certinhas do Oleari + Poesia Erótica – Depilação, crônica de Luis Fernando Veríssimo

Senhor Poderoso Chefão

Essa terrível agressão a que estamos sendo submetidos por um vírus que ninguém ainda sabe de onde vem e até onde vai, levou a um estado de pânico meus conterrâneos desta minha até então pacata Rio Grande do Norte. 24 mil 301 casos confirmados até a semana passada, com 937 mortes.

Sequer pude ir à posse de Marcelo Mello Rego na Secretaria de Comunicação de Santa Catarina, parente muito prezado.

Não fugindo à regra, fiz de minha casa um refúgio conforme recomendação da AMS e dela apenas tenho saído para prover nossa despensa do essencial pão nosso de cada e todo dia.

Biblioteca fechada, recorro à minha estante pessoal, relendo velhos livros repetindo com Heitor Cony:

– Se alguma coisa nova e atrativa for editada, não poderei compará-la (aliás, hipótese muito pouco provável) com Moby Dik ou Dom Quixote…

Minha mulher, dona Judith, fã incondicional de Érico Veríssimo, não concorda no entanto com muita coisa escrita pelo seu filho, o cronista Luís Fernando Veríssimo, também poeta, de quem leio para minha pesquisa sobretudo textos e poemas com temas eróticos.

Como, por exemplo, essa fascinante crônica chamada “Depilação”.

Com as desculpas pela minha involuntária omissão, peço aos Poderes Divinos proteção para o pessoal do Portal que, ao contrário de minha escapatória, continua cumprindo sua obrigação como profissionais jornalistas .

Rodrigo Mello Rêgo, jornalista.

Mestre em Estudos literários, pesquisador de literatura erótica.

Depilação

– Luiz Fernando Veríssimo *

Estava eu assistindo TV numa tarde de Domingo, naquele horário em que não se pode inventar nada o que fazer, pois no outro dia é segunda-feira,  quando minha mulher deitou-se do meu lado e ficou brincando com minhas ‘partes’. Após alguns minutos ela veio com a ‘brilhante’ ideia:

– Por que não depilamos seus ovinhos, assim eu poderia fazer ‘outras coisas’ com eles.

Aquela frase foi igual um sino na minha cabeça. Por alguns segundos fiquei imaginando o que seriam ‘outras coisas’.

– Respondi que não, que doeria coisa e tal, mas ela veio com argumentos sobre as novas técnicas de depilação e eu, imaginando as ‘outras coisas’, não tive mais como negar. Concordei.

Ela me pediu que ficasse pelado enquanto buscaria os equipamentos necessários para tal feito. Fiquei olhando para TV, porém minha mente estava vagando pelas novas sensações que só despertei quando ouvi o beep do microondas.

Ela voltou ao quarto com um pote de cêra, uma espátula e alguns pedaços de plástico.

Achei meio estranho aqueles equipamentos, mas ela estava com um ar de ‘dona da situação’ que deixaria qualquer médico urologista sentindo-se como residente.

Fiquei tranqüilo e autorizei o restante do processo. Pediu para que eu ficasse numa posição de quase frango-assado e liberasse o acesso à zona do agrião.

Pegou meus ovinhos como quem pega duas bolinhas de porcelana e começou a passar cêra morna (foto). Achei aquela sensação maravilhosa!

O Sr. Pinto já estava todo ‘pimpão’ como quem diz:
– ‘sou o próximo da fila’!

Pelo início, fiquei imaginando quais seriam as ‘outras coisas’ que viriam.Após estarem completamente besuntados de cêra, ela embrulhou ambos no plástico com tanto cuidado que eu achei que iria levá-los para viagem.

Fiquei imaginando onde ela teria aprendido essa técnica de prazer: na Thailândia, na China ou pela Internet mesmo?Porém, alguns segundos depois ela esticou o saquinho para um lado e deu um puxão repentino.

Todas as novas sensações foram trocadas por um sonoro PUUUUTA QUEEEE ME PARIUUUUUUU quase falado letra por letra. Olhei para o plástico para ver se o couro do meu saco não tinha ficado grudado.

Ela disse que ainda restavam alguns pelinhos, e que precisava passar de novo. Respondi prontamente:

– Se depender de mim eles vão ficar aí para a eternidade!

Segurei o Dr. Esquerdo e o Dr. Direito com as duas mãos, como quem segura os últimos ovos da mais bela ave amazônica em extinção, e fui para o banheiro. Sentia o coração bater nos ovos. Abri o chuveiro e foi a primeira vez que eu molhei o saco antes de molhar a cabeça.

Passei alguns minutos só deixando a água gelada escorrer pelo meu corpo. Saí do banho, mas nesses momentos de dor qualquer homem vira um bebezinho novo: faz merda atrás de merda. Peguei meu gel pós-barba com camomila (à esquerda) ‘que acalma a pele’, enchi as mãos e passei nos ovos.

Foi como se estivesse passado molho de pimenta. Sentei no bidê na posição de ‘lava xereca’ e deixei o chuveirinho acalmar os Drs. Peguei a toalha de rosto e fiquei abanando os ovos como quem abana um boxeador no 10° round.

Olhei para meu pinto (à esquerda). Ele, coitado, tão alegrinho minutos atrás, estava tão pequeno que mais parecia irmão gêmeo de meu umbigo. Nesse momento minha mulher bate à porta do banheiro e pergunta se estava passando bem.

Aquela voz antes tão aveludada e sedutora ficou igual uma gralha. Saí do banheiro e voltei para o quarto. Ela estava argumentado que os pentelhos tinham saído pelas raízes, que demorariam voltar a nascer.

– “Pela espessura da pele do meu saco, aqui não nasce nem penugem, meus ovos vão ficar que nem os das codornas” (à direita), respondi. Ela pediu para olhar como estavam.

Eu falei para olhar a meio metro de distância e sem tocar em nada e se ficar rindo vai entrar na PORRADA! Vesti a camiseta e fui dormir (somente de camiseta). Naquele momento sexo para mim, nem para perpetuar a espécie humana.

No outro dia pela manhã fui me arrumar para ir trabalhar. Os ovos estavam mais calmos, porém mais vermelhos que tomates maduros. Foi estranho sentir o vento bater em lugares nunca antes visitados. Tentei colocar a cueca, mas nada feito.

Procurei alguma cueca de veludo e nada. Vesti a calça mais folgada que achei no armário e fui trabalhar sem cueca mesmo. Entrei na minha seção andando igual um cowboy cagado. Falei bom dia para todos, mas sem olhar nos olhos.

E passei o dia inteiro trabalhando em pé com receio de encostar os tomates maduros em qualquer superfície. Resultado, certas coisas devem ser feitas somente pelas mulheres. Não adianta tentar misturar os universos masculino e feminino.

Ainda dói!

Notas do Editor Chefão – 1 – As ilustrações são do Editor, não do texto original; 2 – Editores eventualmente também esquecem. E erram. Alguma coisa me dizia que tinha passado uma do Rodrigo Mello Rego, mas não lembrava. Hoje, procurando qualquer coisa, ao lado do arquivo que procurava achei o da coluna de Mello Rego, de uns 4 meses maiomenu (Oleari).

 

Luis Fernando Veríssimo, escritor

 

COMPARTILHE:

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Don Oleari - Editor Chefão

Don Oleari - Editor Chefão

Radialista, Jornalista, Publicitário.
Don Oleari Corporeitcham